Bloco Principal 2Economia

Pressão por queda na Selic vai continuar no mundo político

A pressão do universo político por uma queda na Selic, a taxa básica de juros, vai continuar nos próximos dias. Atualmente, a taxa está em 13,75%. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, foi cobrado publicamente pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), por uma “redução imediata” nos juros.

Em sua reação, ele fez uma apresentação no Lide Conference, em Londres, cuja principal conclusão foi: “O timing técnico é diferente do político“. O discurso não convenceu o mundo político.

Campos Neto vinha sendo alvo de críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) há alguns meses. Seus aliados no governo também endossaram as críticas. Agora, elas cruzaram a fronteira do Executivo Federal para o Senado e os governos estaduais.

Em entrevistas exclusivas ao Poder360, 3 governadores criticaram a taxa atual. Até mesmo Claudio Castro, o principal governador do PL -partido de Jair Bolsonaro-, endossou a cobrança por redução de juros. Eis o que falaram os governadores:

Políticos cobram uma queda de 0,25 ponto percentual na Selic na reunião de maio. Será do dia 2 ao 3. Citam gestos de Campos Neto no passado que consideram como políticos. Citam visitas a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) para defender o BC autônomo e o uso de uma camiseta da seleção brasileira no dia das eleições.

Pacheco disse na 5ª feira (20.abr) que o Brasil precisa encontrar “os caminhos para a redução imediata da taxa de juros“. Deu a declaração no Lide Conference, em Londres.

PRESSÃO NOS DIRETORES

A perda de apoio político de Campos Neto pode respingar na escolha dos 2 novos diretores do Banco Central, de Fiscalização e de Política Econômica.

Seu esteio é a autonomia do Banco Central, mas formas de pressionar o banqueiro já estão sendo colocadas na mesa.

O risco mais próximo é a indicação de 2 novos diretores do BC, adiadas por Lula algumas vezes. Devem vir depois da próxima reunião do Copom, de 2 a 3 de maio. É o Senado quem aprova, ou não, os nomes.

Pressionado pelo presidente da Casa, Campos Neto corre o risco de ver os novos companheiros do Copom (o comitê é formado pelo presidente e diretores do Banco Central) serem aprovados mediante críticas a ele. As atas das reuniões poderão se tornar mais um fator de ruído no mercado.

Poder360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri