Bloco Destaque 2Bloco Principal 2

J.K. Rowling é denunciada à polícia por transfobia por apresentadora no Reino Unido

 

J. K. Rowling foi denunciada à polícia britânica por transfobia. A queixa foi feita por India Willoughby, ex-participante do ‘Celebrity Big Brother’, no Reino Unido. As informações são do “Deadline”.

As duas já trocaram acusações nas redes sociais. India afirmou que prestou a queixa contra a escritora há poucos dias para a polícia de Northumbria.

Em uma entrevista à TV, segundo o “Deadline”, India afirmou que tinha uma reclamação contra J.K., argumentando que a escritora a chama, repetidamente, pelo gênero errado.

India passou por uma cirurgia de redesignação de gênero em 2015 e foi considerada a primeira repórter trans de TV no Reino Unido, trabalhando para o jornal regional da ITV Tyne Tees.

Nos últimos dias, nas redes sociais, J.K. afirmou que India “não se tornou uma mulher”. “India faz cosplay de uma fantasia masculina misógina sobre o que é uma mulher”, escreveu a autora de Harry Potter no X (antigo Twitter).

Ela ainda se recusou a usar os pronomes que India se identifica e zombou abertamente da emissora em que a jornalista trabalha.

Apresentadora India Willoughby presta queixa contra J.K. Rowling por transfobia — Foto: Reprodução/Instagram

Apresentadora India Willoughby presta queixa contra J.K. Rowling por transfobia — Foto: Reprodução/Instagram

“A máscara caiu. Historicamente, as pessoas deram-lhe o benefício da dúvida, ouvindo que tudo o que ela faz é defender os direitos das mulheres”, disse India. “Ela não pode mais discutir isso agora que realmente assumiu e me disse amplamente que India Willoughby é um homem.”

A promotoria do Reino Unido diz que a hostilidade baseada na identidade transgênero pode ser processada como crime de ódio. O “Deadline” entrou em contato com a polícia de Northumbria para comentar.

Em uma série de postagens no X, J.K. respondeu, argumentando que ela havia sido avisada por advogados de que a “obsessão de Willoughby contra mim nos últimos anos pode atingir o limite legal para assédio.”

Nas publicações, a escritora continuou usando os pronomes masculinos.

“Ignorei esse conselho porque não me incomodaria em dar a India a publicidade que ele tão claramente deseja”, escreveu J.K..

“Consciente como estou de que é um crime mentir às autoridades, terei simplesmente de explicar à polícia que, na minha opinião, India é um exemplo clássico do narcisista masculino que vive num estado de raiva perpétua que ele não pode obrigar as mulheres a aceitá-lo segundo seu próprio valor.”

A escritora também apontou para uma decisão do tribunal de trabalho em 2021, que concluiu que as opiniões críticas de gênero da pesquisadora Maya Forstater eram uma crença filosófica protegida pela Lei da Igualdade. “Nenhuma lei obriga ninguém a fingir acreditar que a India é uma mulher”, disse J.K.

Recentemente, a escritora esteve envolvida em um processo para encontrar roteirista para a série de live-action de Harry Potter para Max. A proposta foi reduzida a três finalistas: Francesca Gardiner, Tom Moran e Kathleen Jordan. A série está prevista para estrear em 2026.

G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri