Bloco Principal 3

Jovem come sobra de refeição do colega, tem infecção severa e acaba sem pernas e dedos das mãos

 

Um jovem americano de 19 anos sofreu reações severas após consumir as sobras de uma refeição feita de macarrão e frango, o que resultou na amputação de seus membros. O caso foi explicado no New England Journal of Medicine em 2021, mas ganhou repercussão nesta semana na imprensa americana.

De acordo com o relato, o paciente, que não fora identificado, comeu as sobras de um prato encomendado na noite anterior por seu colega com quem dividia a casa – que não teria terminado de consumi-lo por sentir um mal-estar.

Na emergência, o paciente apresentava boa oxigenação sanguínea, com leve sobressalto em seus batimentos cardíacos e em sua pressão arterial, além de palidez.

Encaminhado a outro hospital, o jovem passou a manifestar dificuldade respiratória e queda nas taxas de oxigenação sanguínea.

Medicado e com suporte de oxigênio, ele foi levado a um terceiro hospital, onde a pressão sistólica baixou para 70 mm/Hg, e pulsação também teve queda significativa.

A partir daí, o quadro passou a se complicar ainda mais, quando o americano começou a apresentar erupções purpúricas pelo corpo. Com novos remédios administrados, ele foi transferido de helicóptero a um quarto hospital.

Em sua quarta internação, os médicos começaram a puxar o histórico do paciente e seus familiares.

Ele não apresentava alergias conhecidas, e havia tomnado todas as vacinas infantis requeridas. Nos antecedentes familiares, foi constatado que seu pai tinha doença arterial coronariana, sua mãe tinha hipotireoidismo e seu irmão teve meningite viral com 6 semanas de idade.

Pavan K. Bendapudi, médico presente no caso, informou que a progressão do caso foi rápida, incluindo o SRIS (síndrome da resposta inflamatória sistêmica), que é caracterizada por febre, choque, acidose lática grave (falta de oxigenação intracelular, acumulando ácido lático na corrente sanguínea) e insuficiência respiratória e renal aguda.

“Talvez as características mais marcantes deste caso tenham sido a profunda coagulopatia [doença hemorrágica] e o rápido início da doença, com o princípio do quadro durando menos de 24 horas. Considerações adicionais foram sua pouca idade e a ausência de fatores de risco tipicamente associados à sepse (por exemplo, uma doença crônica ou condição coexistente)”, declarou Bendapudi.

Os exames laboratoriais identificaram uma infecção pela bactéria N. meningitidis, diagnosticando um quadro de púrpura fulminante por meningococcemia. A evolução levou à necrose dos tecidos, gerando a amputação das pernas do jovem abaixo dos joelhos, assim como de seus dedos das mãos.

De acordo com o Manual MSD de Diagnóstico e Tratamento, a púrpura é um quadro que gera pequenos coágulos sanguíneos por todo o corpo, bloqueando o fluxo de sangue para os órgãos vitais.

O guia médico informa ainda que “as síndromes de meningococcemia fulminante incluem a síndrome de Waterhouse-Friderichsen (sepse, choque profundo, púrpura cutânea e hemorragia adrenal), sepse com falência de múltiplos órgãos, choque e coagulação intravascular disseminada”.

O manual ressalta que dos pacientes que se recuperam, de 10% a 20% ficam com sequelas graves, como surdez irreversível, retardo mental, ou perda de falanges ou extremidades.

 

 

R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri