Bloco Principal 1

Advogadas criticam presidente da OAB-SP, Patrícia Vanzolini, por defender Thiago Brennand

advogada Patrícia Vanzolini provocou polêmica ao assumir a defesa do empresário Thiago Brennand, condenado por estupro em outubro de 2023. Isso porque a criminalista, a primeira mulher a presidir a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo, tem um histórico de luta a favor dos direitos das mulheres. “Sua posição deveria dar exemplo de ética e moral e não aceitar tudo por dinheiro”, afirmou a advogada Larissa Carvalho em um comentário feito nas redes sociais.

Patrícia está no time de defesa do empresário desde o ano passado. Além da condenação, Brennand ainda responde por outras ações de abuso e violência contra as mulheres. “Para mim, é uma decepção dantesca ver alguém que tinha a maior admiração, que foi a minha professora que tanto admirei assumir um caso desses, sendo que já está na posição de poder escolher quais casos quer patrocinar, tristeza e decepção sem fim”, afirmou a também colega de profissão, Laís Bianca.

Pela lei brasileira, todos têm direito a se defender, mas os comentários questionam a imoralidade da decisão. “A questão é de coerência. Coerência entre a bandeira que te elegeu — defesa contra a violência da mulher, direitos humanos, direitos das minorias — e a contratação para atuar em favor de um violentador assumido”, ponderou a advogada Hello Mello em outro comentário nas redes sociais.

“Coerência é entender que ou se defende o direito da mulher de não ser vítima de crimes como esse e se posiciona a favor das vítimas, ou se defende o violentador confesso. Fazer as duas coisas fica bastante incoerente”, ainda afirmou a advogada na mesma publicação.

Patrícia se pronunciou num vídeo em suas redes comentando o caso. Nele, a criminalista explica mais sobre as prerrogativas da advocacia, garantida por lei, e afirma que o profissional não pode sofrer violência. “É bom lembrar que a violação da prerrogativa da advocacia é crime”, ressalta.

Relembre o caso

O caso do empresário ganhou repercussão depois que ele foi flagrado por câmeras de segurança ao agredir a modelo Alliny Helena Gomes em uma academia no Shopping Iguatemi, em uma área nobre da capital paulista, no dia 3 de agosto de 2022. Depois, outras mulheres decidiram denunciá-lo.

A estudante de medicina Stefanie Cohen, de 30 anos, é uma das denunciantes. Em outubro, ela revelou ao R7 que foi estuprada por Brennand. Na época, disse que foi dopada e abusada: “Percebi que falar sobre isso faz parte da minha cura”.

Em outubro do ano passado, o empresário foi condenado a dez anos e seis meses de prisão, inicialmente em regime fechado, pelo crime de estupro na 2ª Vara de Porto Feliz, no interior de São Paulo. O homem também deverá indenizar a vítima no valor mínimo de R$ 50 mil pelos danos morais sofridos. Brennand recorre da decisão.

A sentença, referente ao caso de estupro de uma mulher americana que mora no Brasil, foi dada pelo juiz Israel Salu. Essa é a primeira condenação de Brennand, réu em sete processos — outros dois já foram arquivados após acordos com as vítimas.

As acusações contra Brennand variaram entre estupro, sequestro, cárcere privado, agressão física e ameaça, entre outros crimes.

 

R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri