Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

A ômicron (B.1.1.529), nova variante do coronavírus descoberta na África do Sul, já foi detectada em ao menos 10 países e territórios até o momento e várias nações já restringiram voos devido à nova cepa. Antes de ganhar o nome de ômicron, a variante ficou conhecida pela abreviação B.1.1.529.

– África do Sul: 77 casos na Província de Gauteng;
– Alemanha: 2 casos na região da Baviera; também há 1 caso com “alta probabilidade” em Hesse;
– Austrália: 2 casos confirmados em Sidney;
– Bélgica: 1 caso, de um viajante que voltou do Egito* em 11 de novembro;
– Botsuana: 4 casos, todos de estrangeiros que foram ao país missão diplomática e já deixaram o país;
– Hong Kong: 1 caso, de uma pessoa que viajou à África do Sul;
– Israel: 1 caso confirmado, de uma pessoa que viajou ao Malaui*, e mais 7 casos suspeitos;
– Itália: 1 caso confirmado, de um homem que chegou de Moçambique;
– Reino Unido: 2 casos confirmados, um deles em Chelmsford e o outro em Nottingham;
– República Tcheca: 1 caso confirmado em Liberec.

Apesar de o caso confirmado em Israel ser de uma pessoa que viajou ao Malaui e o infectado na Bélgica ser de um viajante que voltou do Egito, nenhum dos dois países africanos confirmaram oficialmente nenhum caso da nova variante até o momento.

A variante preocupa pois tem 50 mutações — algo nunca visto antes —, sendo mais de 30 na proteína “spike” (a “chave” que o vírus usa para entrar nas células e que é o alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19).

O virologista Tulio de Oliveira, diretor do Centro para Resposta Epidêmica e Inovação na África do Sul, que anunciou a descoberta da nova variante na quinta-feira (25), afirma que a ômicron carrega uma “constelação incomum de mutações” e é “muito diferente” de outros tipos que já circularam.

“Esta variante nos surpreendeu, ela deu um grande salto na evolução [e traz] muitas mais mutações do que esperávamos”, afirma Oliveira, que é brasileiro. Mas ainda é cedo para dizer o quão transmissível ou perigosa é a variante — e seu efeito sobre as vacinas já desenvolvidas (veja mais abaixo).

A variante ômicron (B.1.1.529)

Até o momento foram registrados 77 casos na África do Sul, 4 na vizinha Botsuana, 1 em Hong Kong (uma pessoa que voltou de uma viagem à África do Sul), 1 em Israel (uma pessoa que voltou do Malaui), 1 na Bélgica (uma pessoa que viajou ao Egito), 2 no Reino Unido, 1 na República Tcheca e 2 na Austrália.

O instituto de pesquisa de Túlio de Oliveira é vinculado à Universidade de Kwazulu-Natal e foi responsável pelo descobrimento da variante beta, uma das quatro cepas consideradas de preocupação global (VOC) pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo o virologista brasileiro, a B.1.1.529 é potencialmente muito contagiosa e tem um número “extremamente alto” de mutações. “Podemos ver que [a variante] tem potencial para se espalhar muito rapidamente”.

Os cientistas ainda não têm certeza da eficácia das vacinas contra a Covid-19 existentes contra a nova variante.

Segundo a Agência de Segurança em Saúde do Reino Unido, a ômicron tem uma proteína “spike” que é dramaticamente diferente daquela do coronavírus original, na qual os imunizantes são baseados.

“O que nos preocupa é que esta variante pode não só ter uma capacidade de transmissão aumentada, mas também ser capaz de contornar partes do nosso sistema imunológico”, disse o professor Richard Lessells, da Universidade de KwaZulu-Natal.

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

8 + dezoito =