Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto
Um dos 12 homens presos na Operação Terceiro Mandamento realizada no último dia 07 no Sertão da Paraíba, em João Pessoa e em outros estados, reside na cidade de Sousa e era dono de uma empresa chamada “Deus é Mais”. A informação foi prestada pelo Secretário Executivo da Fazenda (SeFaz-PB), Bruno Frade, em entrevista concedida ao programa Cidade Notícia, da Rádio Líder FMConfira o vídeo no final desta matéria!
 
“Era ele que usava o nome de Deus em vão. Por isso o nome da Operação Terceiro Mandamento, que é não usar o nome de Deus em vão. O pivô foi essa pessoa que era o ‘operacional’ para abertura dessas empresas e uma das empresas que ele abriu para operacionalizar o esquema da organização criminosa, o nome da empresa pra nossa surpresa é Deus é Mais”, disse.
Bruno Frade revelou detalhes do momento da prisão e ainda confirmou que o sousense era o “braço operacional” para criação de empresas fantasmas envolvidas no esquema de sonegação fiscal que causou um prejuízo de mais de R$ 230 milhões aos cofres do estado. Na cidade de São Bento foram apreendidos R$ 1,5 milhão em espécie.
“Na casa dele quando nós fomos cumprir o mandado de prisão tinha mais de 30 RGs, todos falsos. Na casa dele aqui Sousa ele pegou o computador na hora e tentou jogar para tentar quebrar, jogou o celular no chão, foi um verdadeiro despautério”, revelou o secretário.
Assista ao vídeo:

 

Como agia a Orcrim

A Orcrim (Organização Criminosa), que praticava fraudes e sonegação fiscal de forma estruturada, era dividida em vários núcleos de atividades, dentre eles, o Gerencial e o de Falsificação, que era o responsável por possibilitar a circulação e entrada, no Estado da Paraíba, de grande volume de mercadoria (mantas, fios e artigos de cama e mesa), advinda de vários Estados do Brasil, cujos fornecedores participavam ativamente do esquema criminoso, assim como os empresários eram os seus principais beneficiários uma vez que comercializam esses artigos sem o pagamento do ICMS.

As notas fiscais das mercadorias foram emitidas por essas empresas de fachada/fantasma, beneficiando assim, os reais destinatários, grandes empresários do Sertão paraibano, que as recebiam desacompanhadas da necessária documentação fiscal.

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 + 18 =