Goiânia – Afastado das funções operacionais por prender um professor do Ensino Médio que se negou a tirar do capô de seu carro uma faixa com os dizeres “Fora Bolsonaro genocida” em Goiás, o 1º tenente da Polícia Militar Marlon Jorge Albuquerque é instrutor de curso de aperfeiçoamento de colegas de farda. Com expressa autorização da PM, é professor de “uso seletivo da força”.

O tenente Albuquerque, como é chamado, foi retirado das ruas nesta terça-feira (1º/6), um dia depois de prender o professor e dirigente do PT em Goiás Arquidones Bites, em Trindade, na região metropolitana. A Polícia Federal em Goiânia, para onde o educador foi levado, o liberou por entender que ele não violou a Lei Nacional de Segurança, como alegou o oficial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezoito + cinco =