Um estudo científico sobre a vacina da Johnson & Johnson contra a Covid-19 apontou que o imunizante pode gerar uma resposta imune duradoura. Em resultados preliminares, os anticorpos neutralizantes foram encontrados em mais de 90% dos voluntários após um mês de uso. Novos dados ainda serão analisados para que a tese possa ser confirmada.

Publicado no conceituado The New England Journal of Medicine, o estudo detalha que 805 voluntários foram testados, com idades de 18 a 55 anos. Os anticorpos foram encontrados em 100% deles no 57º após a vacinação, de acordo com a análise preliminar dos estudos.

A pesquisa ainda indicou que a proteção permaneceu estável até o 71º dia. Mas a Johnson & Johnson informou que precisa continuar observando todos participantes desses testes por um ano, para entender melhor os dados.

Os testes de segurança da vacina também foram positivos. Os efeitos adversos mais comuns foram leves, como fadiga, dores de cabeça, dores musculares e dores no local da injeção. Em pessoas mais velhas, as reações foram ainda menos comuns e ficaram menores após a aplicação da segunda dose.

Segundo a empresa, os resultados dos testes da fase 3, que mostram a eficácia, devem ser divulgados até o final do mês de janeiro. O imunizante pode ser uma boa opção para o Brasil, já que utiliza a mesma tecnologia da vacina de Oxford, de adenovírus, que foi aprovada recentemente no país. Além disso, ela já foi testada em algumas cidades brasileiras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro × dois =