Bloco Principal 1

Suspeito de matar companheira em Bayeux, na PB, foi condenado três vezes por porte ilegal de arma

 

O suspeito de matar Lidijane Maria da Conceição, com um tiro na cabeça, em Bayeux, na Grande João Pessoa, já foi condenado três vezes por por por ilegal de arma. A informação sobre os antecedentes de Marcos Antônio Alves Veras de Lima está no documento de audiência de custódia ao qual o g1 o teve acesso.

Marcos Antônio é integrante da Guarda Municipal de Bayeux . De acordo com o delegado Paulo Josafá, responsável pela ocorrência no último domingo (8), por parte da Polícia Civil, o homem atualmente tinha direito à posse de arma, que garante permissão para adquirir uma arma de fogo.

No entanto, em três outros processos o homem já foi condenado por porte ilegal de arma de fogo. O primeiro processo foi aberto em 2009, o segundo em 2012 e outro, mais recentemente, em 2016. Os três já transitaram em julgado.

Além disso, no mesmo documento de audiência de custódia, foi informado que Marcos Antônio disse à polícia que Lidijane tinha tirado a própria vida após uma discussão entre o casal, com um tiro na cabeça. Porém, a perícia criminal foi feita e constatou que o tiro ocorreu de cima para baixo da cabeça da vítima, com a bala saindo debaixo do maxilar da mulher, que era destra, e, portanto, não teria condições da vítima ter disparado contra si mesmo.

Após audiência de custódia realizada nesta segunda-feira (9), com base nessas análises, o juiz converteu a prisão em flagrante do guarda municipal em preventiva, e Marcos Antônio vai para o presídio.

Filha diz que mãe foi impedida de ter contato com a família

 

Jéssica é filha de vítima de feminicídio na grande João Pessoa — Foto: TV Cabo Branco

Jéssica é filha de vítima de feminicídio na grande João Pessoa — Foto: TV Cabo Branco

Em entrevista à TV Cabo Branco, Jéssica Maria dos Santos, filha da vítima, contou que Marcos Antônio impediu que a mãe tivesse contato próximo com ela e também com os netos, desde o início do relacionamento entre os dois.

“Minha mãe conheceu o cara há 7 meses. Como é que um homem pede para a mulher se afastar da família? Ele proibiu minha mãe de me ver e ver os meus filhos”, contou.

Além disso, Jéssica cobrou justiça pela morte da mãe e fez um alerta para outras mulheres que passam por agressões físicas e psicológicas, em relacionamentos.

“Há 7 meses minha mãe só me via às escondidas. Isso é muito revoltante. Eu só peço justiça, que ele pague, porque isso não pode ficar assim não. Nós que somos mulheres temos que nos cuidar, se nos calarmos é pior. Feminicídio tem que acabar”, disse.

Como denunciar

 

Denúncias de estupros, tentativas de feminicídios, feminicídios e outros tipos de violência contra a mulher podem ser feitas por meio de três telefones:

  • 197 (Disque Denúncia da Polícia Civil)
  • 180 (Central de Atendimento à Mulher)
  • 190 (Disque Denúncia da Polícia Militar – em casos de emergência)

 

Além disso, na Paraíba o aplicativo SOS Mulher PB está disponível para celulares com sistemas operacionais Android e iOS e tem diversos recursos, como a denúncia via telefone pelo 180, por formulário e e-mail.

G1PARAÍBA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri