O STF (Supremo Tribunal Federal) já tem maioria formada entre seus 11 ministros para liberar ao Congresso a decisão de reeleger Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) como presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente. O Poder360 apurou que há, pelo menos, 7 votos seguros a favor da tese de que pode haver a reeleição na disputa marcada para a 1ª semana de fevereiro de 2021. O número de apoios pode chegar a 9 quando o STF julgar o caso, na semana que vem, em 4 de dezembro de 2020.

Os mandatos de presidentes da Câmara e do Senado são de 2 anos. Neste momento, o entendimento seguido pelo Congresso é o de que a reeleição só pode ser permitida se for de uma Legislatura para a outra. Legislatura é o período de 4 anos entre uma eleição geral e outra.

Maia e Alcolumbre foram eleitos em fevereiro de 2019. Estariam, pela regra que vem sendo seguida, impedidos de concorrer a mais 2 anos nos comandos das duas Casas do Congresso.

É o que está no parágrafo 4º do artigo 57 da Constituição:

“§ 4º Cada uma das Casas reunir-se-á em sessões preparatórias, a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, para a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para mandato de 2 (dois) anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente”.

O STF vai decidir sobre uma ação proposta pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) que pergunta se é ou não possível haver a reeleição de presidentes da Câmara e do Senado. O relator é o ministro Gilmar Mendes, que terá a seguinte interpretação:

  • Interna corporis – o 1º argumento será o de que cabe internamente ao Congresso decidir sobre como elege as suas Mesas Diretoras;
  • regimentos defasados – o voto de Gilmar também vai pontuar que as regras internas seguidas pela Câmara e pelo Senado simplesmente copiam o que está na Constituição, sem dizer exatamente quando, como e por que pode ou não haver reeleição;
  • novos regimentos – Câmara e Senado terão de refazer e readequar suas normas internas. Enquanto não o fizerem, fica liberada a reeleição.

E como responder ao fato de que na Constituição está escrito que fica “vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente”? O voto do ministro Gilmar lembrará que a Constituição permite reeleição subsequente (apenas uma vez) para todos os cargos executivos do país (prefeito, governador e presidente) desde 1997, quando a Carta foi modificada. Por essa razão, restou um conflito interno no texto que deve agora ser pacificado pelo Supremo.

POSSÍVEL OBSTRUÇÃO E REAÇÃO

Políticos governistas que não querem a permanência de Rodrigo Maia na presidência da Câmara pensam ser possível alguma tática de obstrução dentro do STF, sobretudo com a eventual ajuda do ministro Kassio Nunes Marques, que foi indicado por Bolsonaro e tomou posse em 5 de novembro de 2020.

A esperança é que Nunes Marque peça vista do processo quando for votar, suspendendo o julgamento. Ministros têm o direito de requerer tempo para analisar algum caso e ficar indefinidamente sem dizer nada.

Ocorre que na atual conjuntura esse tipo de obstrução teria pouca chance de funcionar. Por 2 motivos:

  1. porque há maioria de ministros já convencidos a liberar a reeleição de Maia e de Alcolumbre; e
  2. porque sabedor da maioria, Gilmar Mendes, por ser relator, poderá imediatamente conceder uma liminar (decisão provisória) que teria efeito imediato.

Se o processo chegar a esse ponto, Gilmar, ao conceder a liminar, não marcaria prazo para que a decisão fosse a plenário –pois tem prerrogativa para isso. Como a maioria estará a seu favor, não haverá problema interno.

 

 

Poder360 apurou, entretanto, que Nunes Marques sinalizou a colegas que nesse julgamento deve acompanhar a maioria e será mais 1 voto a favor de Maia e de Alcolumbre. Se isso vier a acontecer, será uma grande decepção para o Palácio do Planalto. Nunca 1 ministro do STF nomeado por 1 presidente terá negado apoio ao seu padrinho em tão pouco tempo.

ARGUMENTO JURÍDICO E POLÍTICO

A decisão do STF terá uma argumentação jurídica com amplo apoio na Corte, mas o substrato desse processo é fundamentalmente político.

Há uma maioria entre os 11 ministros do STF que acredita que funcionou bem o sistema de freios e contrapesos durante os últimos 2 anos, com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto e com Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre no comando do Legislativo.

O número de vetos presidenciais que foram derrubados pelo Congresso e de medidas provisórias que caducaram sem ser votadas nunca foi tão grande como durante os 2 primeiros anos da administração bolsonarista.

A maioria dos ministros do STF acredita ser prudente manter o atual arranjo político. Enxerga na permanência de Maia e de Alcolumbre 1 ponto de equilíbrio entre os Poderes para os 2 anos finais de Bolsonaro na Presidência da República.

MEGABLOCO A CAMINHO

No Senado, há até 1 certo consenso no plenário sobre manter Davi Alcolumbre como presidente, caso o STF libere o processo de reeleição. O senador pelo Amapá foi afável com a maioria dos colegas durante os últimos 2 anos e teria votos para ficar no cargo.

Já na Câmara há uma miríade de nomes na disputa pela cadeira de Rodrigo Maia. O candidato favorito do Palácio do Planalto é o líder do PP, o deputado Arthur Lira, de Alagoas. Nesta semana, Lira teve uma derrota no Supremo, que já tem maioria para manter aberto 1 processo sobre suposto recebimento de propina. O deputado nega ter cometido irregularidade.

Além de Maia e Lira, há outros 6 possíveis pré-candidatos a presidir a Câmara: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Baleia Rossi (MDB-SP), Elmar Nascimento (DEM-BA), Luciano Bivar (PSL-PE), Marcelo Ramos (PL-AM) e Marcos Pereira.

Caso a reeleição não seja possível, haverá disputa acirrada. Mas se o STF pavimentar o caminho para Maia, o demista se torna 1 candidato quase imbatível.

Primeiro, porque Maia criou laços com os partidos de esquerda e de oposição mais forte ao Planalto. Aí teria cerca de 100 votos.

Além disso, está para ser anunciado 1 bloco de partidos que deve reunir perto de 200 deputados, segundo apurou o repórter Caio Spechoto. As siglas que podem compor o grupo são DEM, PSDB, MDB, Cidadania e PV (agremiações próximas de Maia) e também PSL, PTB e Pros (que ainda acalentam a candidatura de Luciano Bivar para comandar a Câmara, mas que rapidamente podem mudar de posição ao perceber que o projeto seria inviável).

Os articuladores do megabloco esperam também apoio do Republicanos, apesar de ainda não haver sinalização nesse sentido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezenove − 16 =