Tomar aquela ‘cervejinha’ ficará mais caro nos próximos dias. Conforme anunciado pela Ambev na última terça-feira (28), o preço da bebida será reajustado neste mês de outubro. O percentual do reajuste não foi informado. Porém, de acordo com Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o aumento deve ser de aproximadamente 10% na Paraíba.

“Já existe a expectativa desse aumento de algo em torno dos 10%. É um momento difícil. Apesar de ser um período de recuperação, de retomada, ainda não é o nosso 100%”, explicou o presidente da Abrasel, Arthur Lira, afirmando que a associação “já está alinhando com a Ambev para ter a melhor condição, acordo possível”.

Em conversa Arthur resumiu que o reajuste “vem como uma má notícia, num momento de dificuldade”. Mas para ele, mesmo com o aumento significativo no preço da cerveja, a venda da bebida pode não ser prejudicada. “A pessoa vai gastar um pouco mais ou beber um pouco menos”, explicou. “Mas vai pesar no bolso do consumidor”.

A culpa não é só do “ouro líquido”

A alta no preço da cerveja não é o único desafio para a retomada do setor de bares e restaurantes, que ainda tenta recuperar o fôlego diante das restrições por causa da pandemia. Afinal, nos últimos meses foram anunciados reajustes no preço do botijão de gás de cozinha, energia elétrica, combustível e alimentos.

“Tudo aumentou muito. A gente fica acumulando os aumentos durante o ano todo, porque os restaurantes não podem repassar os reajustes na hora. Esse é um momento de reajustes por natureza no setor”, disse o presidente da Abrasel.

Apesar do cenário ser difícil para bares e restaurantes, sempre há esperança. Arthur Lira acredita que, mesmo com tantos desafios, o setor pode crescer nos próximos meses. “O brasileiro empreendedor é guerreiro, com esperança a gente supera”, disse.

Flexibilizações

Um novo decreto publicado pelo governo estadual, na última quarta-feira (29), prevê que bares, restaurantes, lanchonetes, lojas de conveniência e estabelecimentos similares poderão funcionar das 6h até meia noite, com ocupação de 50% da capacidade do local. Conforme o documento, antes e depois desse horário fica proibida a comercialização de qualquer produto para consumo no próprio estabelecimento. Nesse período, o funcionamento só poderá acontecer através de delivery ou para retirada pelos próprios clientes (takeaway).

Em João Pessoa, o decreto municipal, válido até 17 de outubro, segue as recomendações do Estado para os bares e restaurantes. Segundo o novo documento, nesses locais pode haver apresentação musical com até seis músicos no palco, que deverão obedecer aos protocolos específicos do setor.

Entre as principais novidades do decreto na Capital paraibana, está a volta dos shows com até 100% do público. Porém, a liberação desses eventos com ‘casa cheia’ está prevista para acontecer apenas em dezembro – e a depender da situação da pandemia em João Pessoa. Por enquanto, até o dia 31 deste mês, os shows no município estão liberados com 20% da capacidade do local.

Uso de máscaras –  Vale lembrar que, na Paraíba, permanece obrigatório o uso de máscaras nos espaços de acesso aberto ao público, incluídos os bens de uso comum da população, vias públicas, no interior dos órgãos públicos, nos estabelecimentos privados e nos veículos públicos e particulares, inclusive ônibus e táxis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro + três =