Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou nesta quinta-feira (26) que, a partir de outubro, a capacidade atual do país de geração de energia elétrica será insuficiente para atender à demanda. Na avaliação do órgão, é imprescindível” aumentar a oferta de energia em cerca de 5,5 GW a partir de setembro.

As conclusões constam de uma atualização da nota técnica de monitoramento das condições do setor elétrico até novembro.

Entre as soluções que o ONS sugere para aumentar a oferta estão aumentar a importação de energia e a colocar em operação mais usinas termelétricas — que geram energia mais cara (leia mais abaixo as propostas do órgão).

Na terça (24), o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), presidido pelo Ministério de Minas e Energia, já havia informado que há “relevante piora” das condições hídricas no país, sem detalhar o quadro.

A quantidade adicional necessária, de 5,5 gigawatts (GW), corresponde a cerca de 7,5% da carga diária atual do sistema elétrico.

Segundo o ONS, os principais reservatórios do país chegarão ao fim do período seco, ou seja, em outubro, com níveis baixos de armazenamento. E mesmo com as medidas adotadas até agora para garantir o fornecimento de energia, “os recursos são insuficientes para atendimento ao mercado de energia e demandarão novas medidas no curto prazo”.

Medidas para evitar apagão

O Operador Nacional do Sistama sugere as seguintes medidas para evitar o risco de um apagão a partir de outubro:

  • adiar as manutenções programadas das termelétricas, medidas que obrigam a paralisação das usinas;
  • criar condições para aumentar a importação de energia da Argentina e do Uruguai;
  • colocar em operação usinas termelétricas que atualmente não têm contrato com o governo para fornecimento de energia;
  • resolver questões judiciais que impedem o funcionamento de cinco usinas termelétricas: Goiânia II, Campina Grande, Maracanaú, Palmeira de Goiás e Pernambuco III;
  • viabilizar um terceiro navio regaseificador, para garantir o gás natural que permite o funcionamento das termelétricas Termoceará, Fortaleza e Vale do Açu; e
  • substituição da energia que deixar de ser gerada em razão da manutenção programada da plataforma de Mexilhão e do gasoduto Rota 1, ambos da Petrobras, que escoam gás natural para termelétricas;
  • colocar em operação a usina termelétrica GNA I, em São João da Barra (RJ).

Com essas medidas, diz o ONS, “o atendimento energético é viabilizado a partir da incorporação de recursos adicionais, resultando em ganhos de armazenamento e eliminando possíveis déficits”.

As sugestões do ONS precisam ser aprovadas pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) e pela Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG) para entrarem em vigor.

O ONS ressaltou, ainda, que é fundamental a continuidade das medidas já em andamento, como:

  • geração adicional proveniente das usinas térmicas sem Custo Variável Unitário (CVU),
  • Programa de Resposta Voluntária da Demanda, para que a indústria desloque a produção para fora do horário de pico, em troca de uma compensação financeira;
  • ações de incentivo para que a população reduza de forma voluntária o seu consumo;
  • novas flexibilizações dos níveis mínimos nos reservatórios das hidrelétricas de Ilha Solteira e Três Irmãos;
  • flexibilização dos critérios de segurança das linhas de transmissão, para permitir o maior intercâmbio de energia do Norte e Nordeste pro Sul e Sudeste; e
  • novas restrições temporárias de defluência nas usinas do São Francisco e na hidrelétrica de Itaipu, podendo agregar mais recursos às disponibilidades de potência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 × três =