Vender um carro usado por um ano e com preço melhor do que aquele pago na compra é algo inédito num momento de estabilidade econômica. “Vi isso só na época da hiperinflação”, afirma Eduardo Jurcevic, presidente da Webmotors, maior plataforma de compra e venda de carros do País.

Modelos de grande procura, como Volkswagen T-Cross e Gol, tiveram em um ano valorização de 27% e 24%, respectivamente, conforme dados da KBB Brasil, empresa especializada em pesquisa de preços de veículos (veja quadro abaixo).

Para Ana Renata Navas, diretora-geral da Cox Automotive do Brasil, dona da KBB, a alta procura por carros usados – e a consequente valorização dos preços – se deve, em parte, à pronta entrega que o segmento oferece ao consumidor. Muitos modelos novos têm filas de espera de quatro a seis meses.

Outro ingrediente, diz ela, é que a falta de carros novos reduz também a oferta de usados, pois normalmente eles compõem o pagamento do zero. “Com menos veículos seminovos e usados disponíveis nos estoques das lojas, há mais pressão sobre os preços”, explica.

Segundo Ana Renata, caso a crise de semicondutores perdure para além do primeiro semestre de 2022, ou se agrave no curto e médio prazos, os fatores citados “podem pressionar ainda mais os preços, a ponto de arrefecer a demanda por usados”.

Na opinião de Jurcevic, a elasticidade de preços vai até um certo ponto. “Acho que está muito próximo de chegar em um patamar em que o consumidor vai decidir esperar mais um pouco porque os preços estão muito altos”, diz. Como no geral modelos novos e usados ficaram mais caros, o consumidor terá de avaliar se compensa trocar o carro valorizado por outro que também valorizou.

Jurcevic afirma que este já é o melhor momento da história de 25 anos da Webmotors no Brasil. O resultado financeiro da empresa cresceu mais de 30% até agosto ante igual período de 2020 e ele acredita que esse resultado será mantido até dezembro. O número de usuários únicos, de 12 milhões ao mês, também será superado.

Só não será melhor, ressalta o executivo, porque o número de veículos anunciados diminuiu. “Antes da pandemia chegamos a ter 410 mil carros anunciados, e hoje temos 330 mil.”

O AutoShow, tradicional feirão de carros usados que há um ano foi transferido do Anhembi para o Expo Center Norte, na capital paulista, retomou neste ano a venda presencial nas manhãs de domingo, depois de passar praticamente todo o ano passado sem realizar o evento.

Leandro Ferrari, diretor comercial do AutoShow, afirma que o número de carros à venda diminuiu, assim como o público, em razão da pandemia. Ressalta, contudo, que em 2018 e em 2019 foram vendidos 30% dos 15 mil e dos 18 mil carros ofertados no feirão. Neste ano, até agosto, 52% dos 3,3 mil modelos expostos foram vendidos. Mesmo com o aumento de plataformas de vendas on line, ele diz que o feirão continua atraindo muito público comprador, visitas que devem aumentar quando a situação da pandemia estiver mais controlada.

“O local é seguro, há muitas opções de carros, a negociação é feita na hora, sem intermediários e temos todos os serviços para dar suporte à compra, como vistoria cautelar, parceiros da área de financiamento e despachante”, diz Ferrari.

Ferrari cita o Fiat Argo modelo 2019 como exemplo da supervalorização dos preços, em especial dos seminovos. O modelo era oferecido por R$ 40,8 mil em setembro do ano passado e hoje custa R$ 52,4 mil. “Começa a ocorrer uma desaceleração da velocidade de vendas porque hoje o valor foge do bolso da maioria dos consumidores.”

Kavak, startup mexicana que atua na compra e venda online de carros com até 10 anos de uso, iniciou operações no Brasil em julho com 2,5 mil unidades em estoque. Hoje tem 3,5 mil. O investimento inicial de R$ 2,5 bilhões na operação brasileira deve ser ampliado no próximo ano com a expansão das operações.

Nos últimos quatro anos, várias startups se instalaram no País para atuar no mercado de carros de segunda mão. Além da Kavak chegaram a Creditas – comprou a Volanty –, InstaCarro, Carupi e a argentina Karvi.

A previsão de entidades de classe do setor automotivo e economistas é de que o mercado de carros usados vai crescer em ritmo mais moderado em 2022, enquanto o de novos tende a melhorar seu desempenho. A expectativa é de que no segundo semestre a falta de semicondutores estará controlada.

A previsão do Bradesco é de alta de 2,5% na venda de usados, para 12 milhões de unidades, e de 7,5% para os novos, somando 2,2 milhões de unidades.

Renan Bassoli Diniz, economista do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos do Bradesco, lembra que há demanda, mas a oferta continuará prejudicada no primeiro semestre.

Ele avalia que o mercado de novos perdeu o melhor momento para se recuperar rapidamente e voltar ao nível pré-pandemia, quando houve estímulos financeiros do governo à população e os juros estavam mais baixos. “O ano de 2022 terá menos estímulos, juros mais altos, período de volatilidade eleitoral e espera-se alta do PIB menor que a deste ano”, ressalta Diniz.

Eduardo Jurcevic, da Webmotors, está mais otimista. Pesquisa feita pela empresa em julho com 4,2 mil consumidores indica que 75% deles têm intenção de adquirir carro novo ou usado ainda este ano, 7% desistiram da compra e 18% vão comprar em 2022. “O carro está mais caro, mas ainda tem crédito no mercado”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

17 + 17 =