A ambição de Rodrigo Maia, que tenta dar a volta à Constituição para se reeleger presidente da Câmara, atrasou a análise de reformas e levou ao impasse que travou a aprovação do orçamento.

A ideia agora é votar até 17 de dezembro a Lei de Diretrizes Orçamentárias, o que devia ter sido feito no primeiro semestre, mas o Orçamento deve ficar para depois da eleição do substituto, em fevereiro.

A jogada é provocar a convocação de sessões em janeiro, quando espera aprovar a PEC de sua reeleição. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A rigor, a presidência de Maia acaba no início do recesso, mas atrasar votações importantes é estratégia para manter viva a PEC da reeleição.

Maia acusa o governo de fazer obstrução, mas impediu a comissão mista de orçamento de ser presidida por uma deputada, Flávia Arruda (PP-DF).

Sem ter como justificar ausência de deputados federais por causa das eleições municipais, Maia criou recesso branco e “esforço concentrado”.

A coluna questionou o presidente da Câmara sobre o atraso na votação do orçamento, através da assessoria. Outra vez ele optou pelo silêncio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três + 12 =