BRASÍLIA – Revoltado com parecer que pede a cassação do seu mandato por quebra de decoro, o deputado Boca Aberta (PROS-PR) perdeu a compostura mais uma vez e partiu para cima do relator do seu caso no Conselho de Ética da Câmara, Alexandre Leite (DEM-SP). Nesta quarta-feira, proferindo uma série de xingamentos, o parlamentar perseguiu o colega pelos corredores da Casa. Conhecido por seu temperamento agressivo, Boca Aberta é alvo de representação justamente por tentar agredir e xingar servidores.

 

Contido por assessores, o deputado paranaense chamou Leite para a briga. Após sessão do colegiado, chamou o relator de “bandido” e “vagabundo”. Além disso, fez acusações contra seus familiares. A cena foi gravada por um assessor de Alexandre Leite. Procurado pelo GLOBO, o parlamentar do DEM adicionou uma nota sobre o episódio.

“Acuado pelo processo que corre no Conselho de Ética, do qual sou relator, o deputado Boca Aberta desferiu ataques histéricos e mentirosos contra mim e minha família. Essa é a reação típica de quem está sob risco de cassação e não tem outra alternativa a não ser o ataque injusto e calunioso. Não vou me dobrar a essas bravatas e ofensas, seguirei atuando de forma justa e correta no Conselho de Ética, ainda que a decisão final seja pela cassação do deputado ”, escreveu Leite.

Assessores e auxiliares tentam conter parlamentar do PROS-RS nos corredores da Câmara dos Deputados.  O deputado Alexandre Leite (DEM-SP) é acusado pelo Boca Aberta pelo crime de 'rachadinha' em São Paulo.
Assessores e auxiliares tentam conter parlamentar do PROS-RS nos corredores da Câmara dos Deputados. O deputado Alexandre Leite (DEM-SP) é acusado pelo Boca Aberta pelo crime de ‘rachadinha’ em São Paulo.

Pela segunda vez nesta legislatura, Alexandre Leite apresenta o voto no conselho pela cassação do colega. Na primeira, em 2019, os conselheiros, num acordo, transformaram a punição em suspensão do mandato por seis meses. O Boca Aberta, ainda assim, recorreu na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e conseguiu que o caso de retornasse ao colegiado. Agora, relator, novamente, defende a perda do mandato parlamentar paranaense.

Leite lista quatro razões para defender a cassação do mandato de Boca Aberta: enganar o STF com litigância de má-fé, fraude ou andamento dos trabalhos no conselho, abuso de prerrogativas ao invadir um hospital no interior do Paraná e apresentação de documento fraudado.

“Há uma afronta aos valores éticos e morais da comunidade, um comportamento contrário ao que percebido como razoável pelo próprio homem médio, um ato capaz de comprometer a percepção da sociedade sobre o Parlamento. O cometimento de ações treinadas por congressistas produz, como efeito colateral , um dano à imagem social desfrutada pelo Legislativo. A instituição prejudica-se em razão dos atos respectivos membros “, afirma Alexandre Leite no seu voto.

Durante uma sessão desta quarta-feira, Boca Aberta pediu uma palavra para tentar desqualificar o relator, fato que gerou a reação do presidente do colegiado.

– Espero que (daqui para frente) vossa excelência utilize o tempo para se defender. O representado aqui é vossa excelência. Se por ventura se tiver a fazer alguma consideração sobre o deputado Alexandre, não é este o palco. Se quiser representar contra o deputado, que represente. Neste momento, o deputado Alexandre goza de toda a confiança do conselho – disse Paulo Azi (DEM-BA), que comanda os trabalhos do conselho.

Nesta quarta-feira, o parecer contra Boca Aberta foi retirado de pauta do conselho. O caso, porém, deve voltar a ser analisado em breve.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três + treze =