Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

Acostumado, desde o seu primeiro dia na Presidência, a ter o controle da agenda pública de debates do Brasil, Jair Bolsonaro vive um momento de grande dificuldade no noticiário, a menos de quatro meses do primeiro turno da eleição. Menos por obra de seus adversários ou por decisões editoriais dos veículos de comunicação e mais por força das circunstâncias, o presidente se vê acuado diante de temas como o aumento dos preços dos combustíveis, a violência na Amazônia e a enorme e crescente quantidade de brasileiros que não têm o que comer nem onde morar.

Em síntese, é possível dizer que a realidade começa a atropelar a fantasia bolsonarista neste ano eleitoral. No mundo dos sonhos do presidente e de seus seguidores e assessores, o Brasil, segundo “o Posto Ipiranga” Paulo Guedes, está decolando, a Amazônia está protegida, conforme disse Bolsonaro recentemente, e o aumento dos preços dos combustíveis é culpa da direção da Petrobras.

Na vida real, porém, o noticiário, nacional e internacional, foi dominado pelo assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips em uma área onde o governo federal vem sendo omisso na defesa da floresta, dos povos indígenas e de quem os representa. Os exemplos de brasileiros sem dinheiro para se alimentar, o aumento da miséria e as péssimas projeções econômicas para o país neste ano se tornaram assuntos frequentes não apenas da imprensa, mas nas redes sociais e nas reuniões de amigos e familiares. Ao fim e ao cabo na queda-de-braço dos combustíveis, o que interessa para os brasileiros desprotegidos é que ficou mais caro encher o tanque da moto e comprar o botijão de gás.

Isso significa que Jair Bolsonaro, candidato à reeleição pelo PL, está derrotado? Que não conseguirá virar o jogo? Não, ainda é cedo para tal veredicto, até porque Luiz Inácio Lula da Silva, líder das pesquisas, conforme o Agregador de Pesquisas do UOL, e principal adversário de Bolsonaro, também tem momentos em que parece viver no mundo da fantasia (veja abaixo). O petista insiste na estratégia de jogar parado e, quando se movimenta, prega apenas para os convertidos.

Bolsonaro e seus aliados continuam e continuarão pelejando, seguindo em sua cruzada diária de culpar a Petrobras e os governadores pelos altos preços dos combustíveis, a pandemia pela crise econômica e de atacar a Justiça seja qual for o tema em questão.

O presidente permanece rezando na cartilha do americano Steve Bannon, estrategista do ex-presidente Donald Trump, dos EUA, que, em linhas gerais preconiza: 1) a verdadeira oposição é a imprensa; 2) fale qualquer coisa para ocupar tempo e espaço; 3) quanto mais absurda for a declaração, melhor, porque ocupa mais tempo, mais espaço editorial e mobiliza mais respostas; 4) siga em frente, não importa quanto você for atacado.

Foi com base nessa cartilha e em suas crenças que Bolsonaro, empossado na Presidência, mentiu sobre as vacinas contra a covid-19, elogiou torturadores, disse que não houve golpe militar no Brasil e atacou a comunidade LGBTQIA+, por exemplo. O país, mobilizado, passou dias discutindo esses temas, a imprensa profissional repercutiu os assuntos e trabalhou para desmenti-los. A oposição, por despreparo ou método, mordeu a isca, rebateu o presidente e ajudou a manter as “polêmicas” no foco. E assim passaram-se três anos e meio.

Nos últimos dias, no entanto, essa prática, na melhor hipótese para o Planalto, serviu apenas para manter o time do presidente vivo no jogo eleitoral. Foi com base nela que Bolsonaro, com o apoio integral de Arthur Lira, partiu para cima da diretoria da Petrobrás, em clara tentativa de transferir para a empresa o ônus pelos sucessivos reajustes. Conseguiu antecipar a saída do presidente José Mauro Coelho, mas, com isso, acabou por chamar ainda mais para seu colo a responsabilidade pela política de preços da Petrobras.

Em privado, aliados de Bolsonaro no centrão reconhecem que a mágica dos factoides e das cortinas de fumaça pode estar perdendo seu efeito. Nem os constantes ataques (talvez por serem constantes) ao STF (Supremo Tribunal Federal), ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e às urnas eletrônicas parecem obter o mesmo resultado de outros tempos em termos de atenção do público.

Se essa tendência se mantiver ao longo da campanha eleitoral, restará a Jair Bolsonaro radicalizar ainda mais o discurso, com a produção de mais polêmicas e guerra cultural aos borbotões, para tentar capturar o debate eleitoral e transformá-lo em uma discussão sobre costumes (kit gay e afins), corrupção e comunismo versus “liberdade”. A outra opção será fazer algo que ele não vem fazendo desde 2019: governar com responsabilidade.

Afinal, agora que o presidente da Petrobras pediu demissão, não há mais obstáculo para Guedes, Lira e Bolsonaro apresentarem uma solução pro aumento dos combustíveis, certo? Era o presidente que estava atrapalhando, não era?

O que mais você precisa saber

SALTO LUÍS 15

Ao dizer que agiu para libertar os sequestradores do empresário Abílio Diniz, Lula parece estar muito convencido de que a eleição está definida, não importa o que ele fale. Para além do entorno mais íntimo do pré-candidato petista, porém dentro de sua coligação, cresceu a sensação de que ele está novamente subindo no salto alto, a exemplo do que ocorreu no segundo semestre do ano passado. Por isso, há muita apreensão em relação às pesquisas anunciadas para esta semana, especialmente a do instituto Datafolha. Não que alguém no PT torça para um resultado ruim, mas há o temor de que a ampliação da vantagem de Lula sobre Bolsonaro possa colocar a campanha totalmente em modo “já ganhou”.

A CUMPLICIDADE DO CENTRÃO

Sócio de Bolsonaro na empreitada de atacar a Petrobrás, Arthur Lira (Podemos-AL) publicou artigo na Folha de S. Paulo que deixou o mercado e o setor produtivo preocupados. Como observou o colunista Reinaldo Azevedo, do UOL, o presidente da Câmara demonstrou “um formidável ódio ao capitalismo”. A dupla Bolsonaro-Lira ameaçou abrir uma CPI para investigar a direção da petrolífera brasileira e provocou perdas colossais à empresa. Diante da grande possibilidade de a investigação se transformar em um tiro no pé do próprio governo, a semana começou com membros do centrão que são interlocutores do presidente afirmando para a imprensa que o governo desistirá da comissão após o atual presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, ter renunciado ao cargo. Resta saber se a oposição no Congresso vai abandonar a ideia da CPI.

MÁQUINA DE MOER

Em apenas seis deste ano eleitoral, o PSDB trabalhou intensamente para desgastar a imagem de João Doria e de Eduardo Leite, apontados até bem pouco tempo como os principais quadros para a renovação do partido. O ex-governador de São Paulo voltou para a iniciativa privada, e o ex-governador do Rio Grande Sul voltou uma casa no jogo: disputará a eleição para voltar ao mesmo cargo que ocupava.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

fonte UOL

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 × 4 =