O presidente da Rússia, Vladimir Putin, parabenizou Joe Biden nesta terça-feira (15) por sua vitória na eleição presidencial dos Estados Unidos, realizada em novembro, e disse que estava disposto a trabalhar com o americano, apesar da deterioração das relações bilaterais com o governo do derrotado Donald Trump.

“De minha parte, estou pronto para uma colaboração e para estabelecer contatos com vocês”, escreveu Putin em um telegrama, segundo o Kremlin.

 

O presidente russo é um dos poucos líderes que esperou o voto do colégio eleitoral norte-americano a favor de Biden para parabenizá-lo. Ele explicou a demora devido à recusa de Donald Trump em reconhecer a derrota e pelos vários apelos à Justiça dos EUA feitos pelo republicano.

“Putin desejou sucesso ao presidente eleito e assegurou-lhe que está convencido de que a Rússia e os Estados Unidos … podem, apesar de suas divergências, resolver numerosos problemas e desafios no mundo”, acrescentou o Kremlin em seu comunicado.

 

Biden prometeu firmeza contra a Rússia, acusada de interferência no sistema eleitoral norte-americano para favorecer a eleição de Trump em 2016.

Trump, por sua vez, sempre negou que tenha se beneficiado de qualquer tipo de ação russa.

Colégio eleitoral

 

Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, discursa nesta segunda-feira (14) em Wilmington após Colégio Eleitoral confirmar sua vitória — Foto: Mike Segar/Reuters

Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, discursa nesta segunda-feira (14) em Wilmington após Colégio Eleitoral confirmar sua vitória — Foto: Mike Segar/Reuters

O Colégio Eleitoral confirmou nesta segunda (14) a vitória Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. A etapa foi mais uma das formalidades entre a votação de novembro e a posse do democrata como novo presidente, prevista para 20 de janeiro.

Na etapa desta segunda-feira, os 538 delegados dos 50 estados e do Distrito de Columbia designados a votarem conforme os resultados das eleições depositaram publicamente seus votos. As cédulas serão enviadas até 23 de dezembro para a capital Washington, onde serão formalmente recebidas e contadas em uma solenidade em janeiro no Congresso americano.

Esses eleitores do Colégio Eleitoral são nomeados a partir da certificação dos resultados eleitorais em cada estado, etapa que oficializou os números da apuração. Todas os estados protocolaram os dados até a semana passada.

Com os 55 votos da Califórnia no início desta noite, Biden ultrapassou oficialmente os 270 votos mínimos no Colégio Eleitoral para se eleger presidente. Nenhum delegado votou diferente do que havia sido designado — ou seja, não houve “eleitores infiéis”.

Com isso, o democrata confirmou 306 delegados no Colégio Eleitoral, contra 232 do republicano Donald Trump, atual presidente e derrotado na tentativa de se reeleger. Considerando o voto popular, Biden teve 81,3 milhões de votos (51,3%) contra 74,2 milhões (46,8%) de Trump.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

17 + cinco =