Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

A princesa Mako, sobrinha do imperador Naruhito, do Japão, deixou oficialmente de pertencer à família real nesta terça-feira (26), ao casar com o plebeu Kei Komuro.

Sem nenhuma cerimônia especial ou pompa, a união foi definida apenas pela assinatura do registro oficial do casamento por volta das 11 horas (horário local, 23 horas de segunda-feira no Brasil).

Além de confirmar que os dois se tornam marido e mulher legalmente, o documento definiu o desligamento de Mako da família imperial. Ela agora passa a se chamar Mako Komuro.

A união não teve festa e a princesa também abriu mão do dinheiro que receberia por deixar o título, um dote equivalente a mais de R$ 5 milhões.

Após a assinatura, os noivos concederam uma entrevista coletiva em um hotel em Tóquio.

Mako, agora ex-princesa do Japão, e seu marido Kei Komuro — Foto: STR / JIJI PRESS / JAPAN POOL / via AFP Photo

Pedido de desculpas e declaração

Mako pediu desculpas por qualquer problema causado por seu casamento e entendeu que as pessoas têm opiniões diferentes sobre o assunto. Kumuro também se desculpou e disse que ama Mako e a apoiaria por toda a vida juntos.

A união, que foi comemorada pelos japoneses quando o casal anunciou o noivado, em 2017, e sua intenção inicial de se casar em 2018, se tornou alvo de protestos, levando inclusive Komuro a deixar o país e ao adiamento da celebração.

Isso aconteceu quando foi descoberto que a mãe do noivo, que é viúva, havia recebido um empréstimo de 4 milhões de ienes (cerca de R$ 200 mil) de um ex-noivo, usados para financiar os estudos do filho, e não devolveu o dinheiro.

A sogra da princesa alegou que acreditava que a quantia tinha sido um presente, e Komuro se ofereceu para pagar a dívida, mas o estrago na imagem da família já estava feito. Grande parte da opinião pública se voltou contra o relacionamento do jovem com um membro da família imperial, que supostamente deve manter uma reputação imaculada.

Para diminuir a pressão, o noivo se mudou para Nova York, onde continuou os estudos e trabalha como advogado. Após o casamento, Mako irá se mudar para os Estados Unidos, e também vai trabalhar como advogada na cidade.

O príncipe Akishino e a princesa Kiko, acenam ao lado de sua filha, a princesa Mako, em foto de 2 de janeiro de 2018 — Foto: Kazuhiro Nogi/AFP

Os dois, que têm 30 anos de idade, se conheceram na universidade quando estudavam direito, há dez anos.

Enquanto Komuro estava em Nova York, Mako permaneceu no Japão, e eles ficaram três anos sem se ver pessoalmente. Recentemente, quando a data do casamento foi anunciada, a agência da Casa Imperial informou que a princesa estava sofrendo de transtorno de estresse pós-traumático devido à grande cobertura midiática sobre ela.

Kei Komuro, noivo da princesa Mako, do Japão, na chegada ao aeroporto de Narita, na prefeitura de Chiba, em foto de 27 de setembro — Foto: Kazuhiro Nogi/AFP

O reencontro aconteceu apenas no mês passado, quando o noivo finalmente retornou para o casamento. Com os cabelos mais compridos e usando um pequeno rabo de cavalo, foi mais uma vez alvo de inúmeras críticas – e logo cortou os fios.

Como mulher, Mako não pertencia à linha de sucessão ao trono imperial, que no Japão só pode ser ocupado por homens. Abaixo de seu tio, o atual imperador Naruhito – que tem apenas uma filha mulher, a princesa Aiko – estão o pai de Mako, o príncipe Akishino, e seu irmão mais novo, Hisahito, de 14 anos.

Antes dela, a última mulher a deixar a família imperial para se casar com um plebeu foi sua tia, a ex-princesa Sayako, irmão de Naruhito, que em 2005 se casou com Yoshiki Kuroda.

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dez + 3 =