Manter a chama de um relacionamento acesa é uma construção a dois. No entanto, a disfunção erétil, cuja prevalência se aproxima de 50% depois dos 40 anos, é uma vilã que conspira contra a intimidade dos casais. De acordo com o portal da Sociedade Brasileira de Urologia, cerca de 16 milhões de brasileiros sofrem com o problema, que se caracteriza pela incapacidade de obter e manter uma ereção suficiente que garanta uma atividade sexual satisfatória. Entretanto, o maior obstáculo para superar o transtorno é a recusa masculina em pedir ajuda.

“O assunto ainda é tabu. Mais de 60% dos homens com disfunção erétil não procuram auxílio, nem sequer falam disso com alguém. O estereótipo do homem de aço, que não pode falhar, continua forte. O aspecto perverso é a retração masculina, que leva ao afastamento do casal. O isolamento emocional pode, inclusive, alimentar um comportamento violento, quando ele não sabe lidar com as frustrações”, afirma o urologista João Brunhara, médico preceptor da divisão de urologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Cerca de 80% dos urologistas estão concentrados na Região Sudeste e o doutor Brunhara, que é também diretor científico da Omens, empresa especializada em saúde sexual masculina por teleatendimento, diz que 50% das consultas são por mensagem. “Embora o ideal seja fazer a primeira consulta por teleconferência, muitas pessoas não querem nem ligar a câmera. Recentemente atendi um caminhoneiro que estava na cabine do seu caminhão, no interior da Bahia”, contou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × quatro =