Bloco Principal 1

Ponte aérea 40% mais cara faz passageiro trocar avião pelo ônibus em viagens entre Rio e São Paulo

 

Acostumado a levar cerca de uma hora na ponte aérea entre o Rio de Janeiro e São Paulo, o estudante João Vitor Câmara, de 25 anos, resolveu em 2021 — pela primeira vez — encarar seis horas de ônibus no mesmo trajeto. A mudança de hábitos se deu depois que o preço da passagem começou a pesar mais no bolso.

Levantamento feito pelo g1 com base em dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aponta que os preços das passagens entre os aeroportos de Santos Dumont (Rio) e Congonhas (SP), assim como o do trecho inverso, são os maiores desde 2012.

O bilhete médio entre Santos Dumont e Congonhas aumentou 40% de 2019, o último ano antes da pandemia, para 2022: de R$ 405 para R$ 569. No trecho inverso, entre o aeroporto paulistano e o do Rio, o valor subiu 37% no mesmo período: de R$ 403 para R$ 553.

A ponte aérea Congonhas-Santos Dumont-Congonhas é a rota mais movimentada do Brasil em número de passageiros.

“Eu nunca tinha ido de ônibus do Rio pra São Paulo. Antes, a diferença era de R$ 100 do ônibus pro avião. Mas passagens [de avião] agora estão num preço bizarro, algo como R$ 800, que era o que eu pagava antes pra ir pra Fortaleza”, diz João Vitor.

A tarifa continua alta em 2023 entre São Paulo e Rio e vice-versa. O preço médio mensal de fevereiro de 2023 (R$ 446 e R$ 428), por exemplo, é o maior desde 2016. Janeiro, por sua vez, teve o maior valor mensal médio (R$ 490 e R$ 476) desde 2014.

Especialistas apontam o dólar e o querosene de aviação como principais vilões no encarecimento das passagens aéreas. A moeda continua em índices elevados, com cotação atual pouco abaixo dos R$ 5. Já o valor atual do combustível, R$ 5,27 por litro, só não é maior que o registrado em alguns períodos de 2022

A tarifa continua alta em 2023 entre São Paulo e Rio e vice-versa. O preço médio mensal de fevereiro de 2023 (R$ 446 e R$ 428), por exemplo, é o maior desde 2016. Janeiro, por sua vez, teve o maior valor mensal médio (R$ 490 e R$ 476) desde 2014.

Especialistas apontam o dólar e o querosene de aviação como principais vilões no encarecimento das passagens aéreas. A moeda continua em índices elevados, com cotação atual pouco abaixo dos R$ 5. Já o valor atual do combustível, R$ 5,27 por litro, só não é maior que o registrado em alguns períodos de 2022

A tarifa continua alta em 2023 entre São Paulo e Rio e vice-versa. O preço médio mensal de fevereiro de 2023 (R$ 446 e R$ 428), por exemplo, é o maior desde 2016. Janeiro, por sua vez, teve o maior valor mensal médio (R$ 490 e R$ 476) desde 2014.

Especialistas apontam o dólar e o querosene de aviação como principais vilões no encarecimento das passagens aéreas. A moeda continua em índices elevados, com cotação atual pouco abaixo dos R$ 5. Já o valor atual do combustível, R$ 5,27 por litro, só não é maior que o registrado em alguns períodos de 2022

Já a movimentação nos voos entre os aeroportos de Congonhas e Santos Dumont foi de 2,9 milhões de passageiros em 2022, valor 27% mais baixo que os 4 milhões de 2019.

Há ainda a vantagem da flexibilidade: uma passagem de ônibus entre São Paulo e Rio (e vice-versa) para o dia seguinte custa em torno de R$ 100. Um bilhete aéreo entre Congonhas e Santos Dumont (ou a rota inversa), comprado sem antecedência, chega a superar R$ 1.000.

Felipe Vieira, profissional de marketing digital, também migrou do avião para ônibus nas viagens tanto a trabalho quanto a lazer.

“A passagem aérea tá muito cara. Houve alguns reajustes nas passagens de ônibus, mas ainda assim é mais em conta. Tudo bem que o tempo é desgastante, são quase seis horas e alguma coisa, mas acaba valendo a pena”, afirma.

Preço X conforto

 

Movimentação de passageiros na Rodoviária do Tietê, na Zona Norte de São Paulo. — Foto: Fábio Tito/g1

Movimentação de passageiros na Rodoviária do Tietê, na Zona Norte de São Paulo. — Foto: Fábio Tito/g1

Porta-voz da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), Letícia Pineschi aponta que a migração não veio apenas do setor aéreo, mas também do transporte de carros de passeio.

“Tem essa migração dos modais, que não é só do aéreo, mas também dos carros particulares. Hoje um carro popular custa R$ 90 mil, além do custo de gasolina, pedágio”, diz.

Segundo ela, o maior investimento das empresas em conforto também é um fator que ajuda a atrair mais passageiros.

“A gente tem uma busca maior pelos serviços especiais. Pelo semileito, leito e cama com cabine individual. Praticamente 100% da frota no Sudeste é equipada com wi-fi, tomadas usb, e algumas têm serviço de bordo. Tem também os sites próprios que oferecem vantagens e programas de fidelidade. Isso tudo está presente agora muito mais do que em 2019.”

A estudante Beatriz Sá é uma das que veem vantagem no conforto dos ônibus.

“Pra levar bagagem no avião é muito mais caro. E o ônibus é mais confortável, considerando que o avião quase não tem mais serviço nenhum. Você sai com fome, irritado. Pelo preço, tem compensado muito mais o ônibus. Fora que quando você tem que remarcar a passagem ou quando compra em cima da hora é muito mais flexível”, diz.

Já a figurinista Alexandra Malschitzky, que geralmente escolhe as poltronas mais reclináveis para viajar de ônibus, afirma que o conforto não é suficiente para compensar a diferença no tempo do percurso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
slot gacor hari ini
situs slot luar negeri