SÃO PAULO, SP, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Polícia Federal elencou uma série de documentos no pedido de abertura de inquérito contra o ministro Dias Toffoli (STF) como elementos de corroboração ao depoimento de Sérgio Cabral sobre a suposta venda de decisões.

Emails, agendas com encontros entre os envolvidos na suposta negociação, mensagens por aplicativos e anotações do ex-governador do Rio foram anexados ao material encaminhado ao Supremo Tribunal Federal, que começa a julgar nesta sexta-feira (21), no plenário virtual da corte, o recurso da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra a validade da delação de Cabral com a PF.

Toffoli tem dito desconhecer os fatos mencionados e que jamais recebeu qualquer valor ilegal. Na sexta (14), Edson Fachin, relator do caso, indeferiu os pedidos de investigação após a Procuradoria-Geral da República se manifestar contra a apuração.
Como mostrou o Painel, da Folha de S.Paulo, boa parte dos dados que a PF juntou faz parte das operações Calicute e Boca de Lobo, cujos conteúdos foram compartilhados de um caso para outro com autorização de Fachin.

Os documentos mostram, na opinião da polícia, indícios da relação de Cabral e seu grupo com José Luiz Solheiro, que seria o intermediário de Toffoli e de sua mulher, a advogada Roberta Rangel.

Ex-policial militar, segundo Cabral, Solheiro integrou a sua equipe de segurança e a do ex-governador Luiz Fernando Pezão. A PF fez uma apuração preliminar sobre o ex-PM e encontrou empresas sediadas em Jundiaí (SP) registradas em seu nome e no de um sócio.

De acordo com os investigadores, “causa estranheza o fato de essas empresas terem capital social de alto valor”, elas estarem sediadas em um mesmo endereço e serem dos mesmos donos.

“Considerando o modo como estão dispostas, há indícios de que possam ser empresas de fachada (algumas) e/ou utilizadas para confundir e dificultar a fiscalização”, diz a PF em relatório.

Segundo Cabral, Solheiro era conhecido por ter boas relações com empresários paulistas e com integrantes do Judiciário.

No início de 2013, diz o ex-governador, Solheiro teria dito que Dias Toffoli queria estreitar as relações com Cabral e sugeriu um encontro com Roberta Rangel, mulher do ministro.

“Durante o encontro, a dra. Roberta ligou para o ministro Dias Toffoli. Ele registrou a alegria, a satisfação de eu receber sua esposa e agradeceu pela colaboração e gentil recepção”, disse Cabral.

Nos anos seguintes, quando os prefeitos de Volta Redonda e Bom Jesus de Itabapoana necessitaram de ajuda no TSE, diz Cabral, Solheiro foi acionado por Pezão, à época governador do Rio.

No caso do prefeito Antônio Francisco Neto (MDB), de Volta Redonda, para corroborar as afirmações de Cabral, primeiro a PF analisou o julgamento do seu caso. Segundo Cabral, Solheiro prometeu a Pezão que por R$ 3 milhões Dias Toffoli mudaria seu voto nos embargos de declaração.

O vídeo dos julgamentos mostra que o ministro mudou seu voto. Na análise do recurso defendeu a cassação, mas nos embargos foi contra e reverteu a decisão da Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro.

Do material compartilhado com autorização de Fachin, a PF utiliza a agenda de Pezão apreendida na operação Boca de Lobo para mostrar registros de encontros entre o ex-governador e Solheiro em períodos próximos à decisão supostamente comprada, datada de 23 de junho de 2015.

“Entre os diversos registros de reuniões existentes, os que se relacionam com o relato do colaborador são os dos dias 28.05.2015, 01.07.2015 e 08.10.2015, uma vez que ocorreram no período da mudança de posicionamento de Dias Toffoli”, diz a PF.

Após livrar Francisco Neto, Toffoli ainda negou em uma decisão monocrática um recurso especial impetrado pelo adversário do prefeito em 6 de outubro de 2015.

A PF ainda utiliza as agendas de Pezão para sustentar a tese da proximidade entre ele e Toffoli. Segundo um relatório produzido pelos investigadores, o ex-governador se reuniu com o ministro ao menos cinco vezes nos anos de 2016, 2017 e 2018.

Outro documento compartilhado de operações do Rio e utilizado para corroborar a versão de Cabral é o celular de Hudson Braga.

A PF encontrou no aparelho registros de trocas de mensagens entre o ex-secretário de Obras, apontado como responsável por operacionalizar os pagamentos a Toffoli, e Solheiro. Os emails de Braga também mostram diversas reuniões entre ele e Solheiro.

Uma dessas conversas, diz a PF, indica que o suposto intermediador da família Toffoli atuou na captação de recursos da campanha de Pezão, em 2014, ao Governo do Rio. Ele enviou a Braga o recibo de uma doação de R$ 100 mil da Riachuelo.

No caso da suposta compra de decisão da então prefeita de Bom Jesus de Itabapoana, a PF também produziu um relatório com base na análise do julgamento no TSE e nos documentos compartilhados com autorização de Fachin.

Os documentos, diz a PF, corroboram com a versão de Cabral de que Toffoli recebeu R$ 1 milhão para dar uma liminar favorável à prefeita. Um dos documentos elencados é o email enviado em 18 de novembro de 2015 em que Branca Motta pede apoio a Cabral para a fase final do seu processo no TSE.

Na mensagem, ela diz que seu advogado em Brasília é Daniane Mângia Furtado, ex-sócio de Roberta Rangel, e que seus adversários políticos estariam se organizando em Brasília para prejudicá-la.

A PF também usou um arquivo que mostra os contatos de Branca Motta na agenda de Cabral e uma anotação apreendida em sua casa sobre “pendências” atreladas ao nome da ex-prefeita.

No caso da prefeita, como Furtado atuou como seu defensor, a PF produziu um relatório em que expõe a relação dele com o casal Toffoli. Furtado foi sócio de Roberta Rangel nos períodos de 2007 até 2013 e, depois, entre 2017 e 2019.

Segundo a PF, ele entra na sociedade logo após a saída de Toffoli, que assumiria a vaga no STF por indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Na esteira dos elementos preliminares existentes, pode-se afirmar, em tese, que Dias Toffoli constituiu um grupo dedicado a ‘venda’ de decisões judiciais, atuante pelo menos entre 2014 e 2015, formado pela sua esposa Roberta Rangel, pelo advogado Daniane Furtado e por José Luiz Solheiro, o qual foi responsável por evitar as cassações de Antônio Francisco Neto, bem como de Graça Motta, mediante a solicitação e o recebimento de vantagens indevidas nos valores de R$ 3 milhões e R$ 1 milhão”, concluiu a PF com base na investigação preliminar.

Sobre a delação de Cabral, o ministro Dias Toffoli afirmou, por meio da assessoria, não ter conhecimento dos fatos mencionados e disse que jamais recebeu os supostos valores ilegais.

Toffoli refuta qualquer tipo de ilegalidade Por meio da assessoria, o ministro refutou a possibilidade de ter atuado para favorecer qualquer pessoa no exercício de suas funções.

Em manifestação encaminhada ao STF, a PGR disse que Cabral tenta constranger autoridades públicas com seu acordo para alcançar benefícios da delação.

Segundo a PGR, o ímpeto do Cabral em atacar essas autoridades é tão grande que ele atribuiu ao ministro Dias Toffoli a prática de crime ao arquivar os primeiros inquéritos abertos com base em seu acordo.

A defesa do ex-secretário de Obras do Rio Hudson Braga, apontado por Cabral como responsável operacionalizar os pagamentos a Toffoli, nega participação dele no caso.
“Hudson Braga nunca operacionalizou nada. Ele nunca sequer soube de qualquer situação que envolvesse o ministro Toffoli”, diz o advogado do ex-secretário, Roberto Pagliuso.

Ele afirmou ainda que Cabral, que cumpre pena de mais de 300 anos, “tenta, depois de condenado, criar situações para viabilizar a sua colaboração. Mas ele não tem qualquer apreço pela verdade. Nem produz qualquer prova de suas alegações”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 × 2 =