A nomeação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) à chefia da Casa Civil foi formalizada, ontem, com a publicação no Diário Oficial da União (DOU). O ministro — líder do Centrão — vai substituir o general Luiz Eduardo Ramos, que passará ao comando da Secretaria-Geral da Presidência. As mudanças fazem parte de uma minirreforma ministerial que inclui a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência. O objetivo é melhorar a articulação com o Congresso, sobretudo no Senado, onde as investigações da CPI da Covid têm causado desgastes ao Palácio do Planalto.

A Casa Civil é um dos ministérios mais importantes da Esplanada, encarregada de auxiliar nas relações com o Parlamento e de atuar na coordenação das ações do governo. O ocupante desse cargo compõe, ao lado do ministro da Economia, a Junta de Execução Orçamentária, responsável por definir questões do Orçamento, tais como créditos suplementares, bloqueios e desbloqueios de verbas.

A escolha de Ciro Nogueira para a função representa a entrega do “coração do governo” ao Centrão, bloco partidário que apoiou todos os presidentes, no período da redemocratização, em troca de cargos federais. Para políticos e analistas, trata-se de flagrante contradição de Bolsonaro, que havia prometido acabar com a “velha política” e já se referiu a esse mesmo grupo como “a nata do que há de pior no Brasil”. Enfrentando baixos índices de popularidade, pressionado pelas investigações da CPI da Covid e alvo de mais de 130 pedidos de impeachment na Câmara, o mandatário hoje depende das mesmas práticas que condenou para sobreviver no cargo.

Ciro Nogueira, que apoiou governos petistas e o do ex-presidente Michel Temer (MDB), aproximou-se de Bolsonaro em meados de 2020. Desde então, passou a fazer parte da comitiva do chefe do Planalto durante viagens ao Nordeste para inauguração de obras e se tornou um dos principais defensores do governo no Congresso.

“Bolsonaro disse que a Casa Civil, entregue a Ciro Nogueira, é a alma do governo. É a confissão de que o presidente está vendendo ambas, alma e governo, ao Centrão para tentar sobreviver. Bolsonaro está de joelhos, humilhado”, disse o deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ), pelas redes sociais.

 

Controle

Por sua vez, um deputado que já integrou a base governista criticou a atual prática do toma lá, dá cá e alertou que a destinação de boa parte dos recursos da União estará, a partir de agora, sob o comando dos dois principais líderes do Centrão — Nogueira e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). “O Lira tem um controle absurdo do Orçamento e entrega para quem ele quer. Com a ida do Ciro (Nogueira) para o governo, eles viram, juntos, um primeiro-ministro. E o Bolsonaro virou a rainha da Inglaterra. Se jogou na mão deles para ver se consegue uma legenda para tentar a reeleição”, afirmou.

De acordo com a fonte, o chefe do Planalto aceitou a posição de submissão em relação aos dois poderosos aliados. “Ele (Bolsonaro) mesmo se colocou nos braços dos caras. Esse é o último suspiro. Provavelmente, por medo de um impeachment”, criticou. “Para eles, é conveniente. Na prática, Jair Bolsonaro não governa e, talvez, eles arrumem um partido para ele concorrer às eleições. Se ele rompe com Ciro e Lira, ele acaba.”

Nogueira é o quarto chefe da Casa Civil em dois anos e sete meses do atual governo. Porém, diferentemente dos que o antecederam no cargo, o novo ministro deve ter autonomia muito maior nas relações com o Congresso e sua permanência na pasta é vital para o futuro político de Bolsonaro. Uma eventual demissão dele poderia motivar o desembarque de todos os outros representantes do Centrão do governo — a secretária de Governo, Flávia Arruda (PL); o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD); e o titular da pasta da Cidadania, João Roma (Republicanos).

Na minirreforma ministerial de Bolsonaro, o general Luiz Eduardo Ramos, como novo secretário-geral da Presidência, substitui, no cargo, Onyx Lorenzoni (DEM), que, por sua vez, foi nomeado, também na edição de ontem do DOU, como ministro do Trabalho e Previdência. A recriação da pasta, que havia sido extinta no primeiro dia do atual governo, também foi oficializada ontem.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 × 2 =