Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

Um homem do País de Gales, no Reino Unido, é a primeira pessoa do mundo a conseguir a cura da covid-19 com a vacinação preventiva. Durante sete meses, Ian Lester, de 37 anos, conviveu com o vírus no corpo. Até que, em um tratamento com duas doses do imunizante da Pfizer, o galês conseguiu resultado negativo para o vírus.

Conforme o artigo do “Journal of Clinical Immunology”, foi a primeira vez que a tecnologia de mRNA, presente na vacina, foi usada para curar uma infecção persistente por covid-19. Cientistas aguardam o resultado de outros pacientes para conferir a eficácia do imunizante como ação preventiva.

Entenda o caso

Lester tem a Síndrome de Wiskott-Aldrich (SWA), que causa uma imunodeficiência genética rara. Assim que contraiu a covid-19 em um ambiente de trabalho, o vírus continuou em seu corpo por vários meses.

“Embora a maioria das pessoas consiga parar de se isolar após dez dias de contrair o vírus, eu fui uma exceção à regra. Meses se passaram, o que parecia uma vida inteira quando você não podia ir a lugar nenhum ou ver amigos ou familiares”, contou ao jornal da Universidade de Cardiff, onde fez o tratamento.

Ele disse também que os sintomas pioram quanto mais tempo o vírus fica no corpo. “Isso incluiu fadiga extrema, falta de sono, dores de cabeça e aperto no peito. Cada teste positivo me deixava mais desanimado e ansioso”.

O galês teve o acompanhamento de profissionais do Centro de Imunodeficiência do País de Gales, localizado na Universidade de Cardiff, onde médicos propuseram a vacina como forma de curar o paciente da doença.

Assim, Ian recebeu as duas doses da vacina da Pfizer em um período de 21 dias. Após 72 dias da primeira imunização, o resultado para covid-19 do galês foi negativo.

Conforme o professor Stephen Jolles, líder clínico do Centro de Imunodeficiência do País de Gales, o imunizante provocou um aumento na produção de células T, responsáveis por produzir uma resposta imunológica contra o vírus e anticorpos.

Além disso, o cientista Mark Ponsford, também da Universidade de Cardiff, apontou que o corpo de Lester foi tolerante à vacina da Pfizer. “A resposta de Ian às vacinas convencionais no passado foi extremamente limitada”, completa.

 

Correio Braziliense

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

vinte − seis =