Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

A 2ª Turma da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) manteve a exigência de contribuição previdenciária em dois processos em que foi entendido pelo fisco que contratos com pessoas jurídicas encobriam uma relação de vínculo empregatício da Globo com artistas.

Cinco conselheiros votaram a favor da cobrança a serviço e três optaram por rejeitar o processo. A tese de que simulação, dolo ou fraude acabou vencendo durante o julgamento. Isso significa que há autorização para a aplicação do prazo decadencial do artigo 173 do Código Tributário Nacional.

O caso foi julgado pelo Carf depois que a Receita Federal fez pelo não recolhimento da contribuição em contratos com pessoas jurídicas. Os artistas representados no episódio são: Luiz Fernando Guimarães; Elizabeth Savalla; Giulia Gam; Cristiana Oliveira; Marco Nanini; Ney Latorraca; Nathalia Timberg; Guilherme Karam; Hugo Carvana; Nair Bello; Yoná Magalhães e Agildo Ribeiro.

A 2ª turma da Carf chegou a conclusão que os contratos ocultavam uma relação trabalhista com os artistas, ou seja, mantida os lançamentos. A decisão excluiu os valores que são relativos aos períodos de janeiro de 1997 a dezembro de 2002.

PJ na Globo e em outras emissoras

Alguns famosos permanecerão por longos anos trabalhando para emissoras de televisão, até que um belo dia foram dispensados. Enquanto uns seguiram a vida normalmente, outros optaram por processá-las, grande parte pela “pejotização”. A alegação é que o vínculo estabelecido teve prejuízos para si, já que não recebimento de 13º, férias e FGTS.

A prática é comum nas emissoras de TV. Ao vínculo CLT, é proposto um contrato entre o canal e o PJ. O artista abre uma empresa em seu nome e vira “prestador de serviço”. Quando uma dispensa acontece, vai até a Justiça atrás do que recebeu de receber durante anos.

Dentre os casos mais famosos estão os de Rachel Sheherazade e Carolina Ferraz, que processam o SBT e a Globo, respectivamente, depois de anos de serviços prestados. Ambos os processos ainda correm na Justiça e as indenizações são milionárias.

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

10 − 7 =