Membros da Organização Mundial de Saúde (OMS) que investigam as origens do coronavírus na China descobriram sinais de que o surto foi muito mais amplo em Wuhan em dezembro de 2019 do que se pensava anteriormente. Agora, estão buscando acesso a centenas de milhares de amostras de sangue de moradores da cidade. Mas a China ainda não permitiu que eles examinassem.

O principal investigador da missão da OMS, Peter Ben Embarek, disse à CNN que a missão havia encontrado vários sinais de propagação mais ampla em 2019 e que havia mais de uma dúzia de cepas do vírus em Wuhan já em dezembro. A equipe também teve a chance de falar com o primeiro paciente que as autoridades chinesas disseram ter sido infectado: um funcionário de 40 anos, sem histórico de viagens digno de nota, que teria sido infectado em 8 de dezembro.

A lenta comunicação de dados mais detalhados na tão esperada viagem da OMS à China pode aumentar as especulações de que a doença pode ter se espalhado na China muito antes de sua divulgação oficial em meados de dezembro.

Embarek, que acabou de voltar de Wuhan, disse à CNN: “O vírus estava circulando amplamente em Wuhan em dezembro, o que é uma nova descoberta”.

O especialista da OMS acrescentou que a equipe foi apresentada a 174 casos de coronavírus de Wuhan em dezembro de 2019. Destes, 100 foram confirmados por testes de laboratório e outros 74 por meio de diagnóstico clínico. Mas, segundo ele, é possível que a doença tenha atingido cerca de 1.000 pessoas em Wuhan naquele mês.

“Sabemos em números aproximados que do total da população infectada cerca de 15% acabam com casos graves, e a grande maioria são casos leves.”

Embarek disse que a missão — que incluiu 17 cientistas da OMS e 17 chineses — ampliou o tipo de material genético do vírus que eles examinaram nos primeiros casos de coronavírus naquele primeiro de dezembro.

Isso permitiu que examinassem amostras genéticas parciais, em vez de apenas amostras completas. Como resultado, eles foram capazes de reunir pela primeira vez 13 sequências genéticas diferentes do vírus SARS-COV-2 de dezembro de 2019. As sequências, se examinadas com dados mais amplos de pacientes na China em 2019, poderiam fornecer pistas valiosas sobre a geografia e o momento do início do surto antes de dezembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

3 × quatro =