O atual procurador-geral da República, Augusto Aras, tem contrariado toda a tradição da instituição que chefia ao não encampar a defesa da urna eletrônica.

Nas duas oportunidades em que o STF (Supremo Tribunal Federal) declarou inconstitucional o voto impresso, a corte tomou as decisões justamente na análise de ações apresentadas pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra a mudança no sistema de votação.

Além disso, a Procuradoria acompanha o processo de lacração das urnas e, desde que o sistema foi instituído, o órgão atesta a lisura dos equipamentos.

O alinhamento de Aras com o presidente Jair Bolsonaro, porém, tem levado o chefe do Ministério Público Federal a se omitir sobre as acusações infundadas de que o processo de votação brasileiro já foi fraudado e que pode ter irregularidades novamente em 2022.

Em nota nesta sexta-feira (13), o procurador-geral afirmou que, quanto ao posicionamento do presidente sobre o funcionamento das urnas eletrônicas, “haverá manifestação no tempo oportuno, no foro próprio e conforme a lei aplicável às eventuais condutas ilícitas sob apreciação do Ministério Público”.

Sem apresentar provas, contrariando o que sustentou até recentemente, Bolsonaro aponta fraude inclusive na votação que o levou ao Palácio do Planalto, em 2018.

O primeiro processo movido pela PGR contra o voto impresso foi em 2011, quando Roberto Gurgel estava à frente da instituição e contestou legislação aprovada pelo Congresso em 2009.

Os argumentos apresentados pela Procuradoria à época coincidem com a tese do atual presidente do TSE, o ministro Luís Roberto Barroso, que liderou o movimento contra o voto impresso e foi escolhido por Bolsonaro como seu principal opositor nesse assunto.

“O sigilo da votação também estará comprometido caso ocorra falha na impressão ou travamento do papel da urna eletrônica”, afirmou a PGR na época.

“Isso porque, sendo necessária a intervenção humana para solucionar o problema, os votos registrados até então ficarão expostos ao servidor responsável pela manutenção do equipamento.”

O Supremo julgou a ação em 2013. À época, o posto de procurador-geral da República era exercido por Rodrigo Janot. Ele ratificou a posição contra a medida.

E a PGR teve sucesso. Por unanimidade, o STF declarou a inconstitucionalidade da lei. A ministra Cármen Lúcia foi a relatora do processo e afirmou que “o segredo do voto foi conquista impossível de retroação” e que a impressão do voto fere esse direito assegurado pela Constituição.

Depois, em 2018, foi a vez de Raquel Dodge pedir ao Supremo para derrubar o voto impresso aprovado pelo Congresso três anos antes.

Dodge reafirmou a posição da PGR sobre o tema e disse que a “reintrodução do voto impresso como forma de controle do processo eletrônico de votação caminha na contramão da proteção da garantia do anonimato do voto e significa verdadeiro retrocesso”.

Além de contrariar o histórico da PGR, movimentos internos recentes indicam que a posição de Aras sobre o tema também vai no sentido oposto do sentimento da maioria dos integrantes do órgão.

No início deste mês, 31 subprocuradores-gerais da República, último nível da carreira antes da chefia da instituição, divulgaram uma carta para cobrar uma posição de Aras sobre o tema.

A publicação do texto ocorreu horas depois de Aras ter sido convocado para uma reunião com o presidente do Supremo, Luiz Fux. O chamado para o encontro ocorreu em meio à omissão de Aras sobre as ameaças golpistas do mandatário.

Depois da reunião, Aras divulgou nota, mas evitou defender a urna eletrônica e os integrantes do Supremo que estão na mira de Bolsonaro.

Os subprocuradores-gerais afirmaram que “incumbe prioritariamente ao Ministério Público a incondicional defesa do regime democrático, com efetivo protagonismo, seja mediante apuração e acusação penal, seja por manifestações que lhe são reclamadas pelo Poder Judiciário”.

No mês passado, membros do MPF que ocuparam o posto de procurador-geral eleitoral entre 1981 e 2019 também haviam publicado um texto para rebater Bolsonaro.

Afirmam no documento que a democracia brasileira “tem se beneficiado intensamente da atuação do sistema de Justiça Eleitoral, com especial destaque para as urnas eletrônicas, que operam com absoluta correção, de modo seguro e plenamente auditável”.

Eles lembraram que os equipamentos são fiscalizadas durante todo o processo eleitoral pelo Ministério Público Eleitoral, por partidos políticos, pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pela sociedade civil.

Na última quinta-feira (12), o ministro Dias Toffoli cobrou do procurador-geral uma manifestação sobre as alegações de Bolsonaro de que houve fraudes nas eleições de 2018.

O presidente já admitiu que não tem como provar as acusações que faz ao sistema eleitoral, mas tem insistido que o pleito vencido por ele foi fraudado.

Toffoli é relator de uma ação apresentada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Indiretamente, porém, a gestão de Aras já atestou a fidelidade da urna eletrônica. Como ocorre em todos os anos de eleição, em 2020 o então procurador-geral eleitoral, Renato Brill, escolhido por Aras para o posto, participou da cerimônia de lacração das urnas e em nenhum momento indicou alguma irregularidade no procedimento do TSE.

A lacração é um ato que permite a geração de assinaturas e resumos digitais, que podem ser conferidos e validados pelo Ministério Público em caso de suspeição quanto à autenticidade do software das urnas eletrônicas

De acordo com a Procuradoria, quatro especialistas em sistemas informatizados do Ministério Público Federal visitaram o TSE nas últimas eleições para coletar informações sobre os sistemas utilizados no pleito. Foi feita inspeção no código-fonte dos sistemas.

Foi acompanhada também a verificação das assinaturas digitais dos sistemas de recebimento e totalização de votos das eleições municipais, nas cerimônias de lacração referentes a cada etapa eleitoral.

Antes de deixar o cargo no final de junho, Brill afirmou que a defesa do voto impresso para as eleições presidenciais de 2022 é “teoria da conspiração aliada a negacionismo da tecnologia e da ciência que é a urna eletrônica”.

Para o integrante do MPF, a PEC (proposta de emenda à Constituição) sobre o tema, de autoria da deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF), tinha como objetivo “manipular e insuflar determinados segmentos da população e criar um estado de confusão mental sobre a realidade dos fatos”.

A proposta foi rejeitada pela Câmara dos Deputados na semana passada. Alcançou 229 dos 308 votos necessários para que fosse aprovada na Casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

catorze + 5 =