Engº Carlos Batinga *
Um dos maiores problemas que será enfrentado pelos gestores municipais das médias e grandes cidades brasileiras, a serem eleitos ou reeleitos em novembro deste ano, será reorganizar o serviço de transporte coletivo, responsável por um terço dos deslocamentos das pessoas, já a partir de janeiro de 2021.
O que tem mantido os sistemas de transportes operando no Estado de Emergência são: os benefícios referentes à folha de pagamento de pessoal das operadoras, o adiamento do recolhimento de impostos e dos pagamentos de dívidas junto ao BNDES e outros bancos e em alguns casos a antecipação de recebíveis. No início do próximo ano estarão todos encerrados.
A vida terá que voltar ao normal para as empresas operadoras quanto às obrigações legais, porém com uma queda de receita que muito provavelmente irá variar entre 25 e 50% em comparação ao período pré pandemia.
A julgar pelas propostas e projetos que estão sendo apresentados nos guias eleitorais dos candidatos a prefeito, nas mais diversas cidades, o que já está ruim pode ficar muito pior. Se promessas de congelamento de tarifas, ampliação de privilégios e gratuidades, substituição da frota de veículos movidos a diesel por outros novos e elétricos, quebra dos monopólios e um sem número de outras intervenções que aumentam custos e reduzem receitas sem, no entanto, esclarer como e com quais recursos serão feitas, nos induz a crer que talvez acreditem em milagre ou, apenas, em enganar os eleitores.
Por outro lado, a comunidade técnica acadêmica e as instituições que atuam no setor têm elaborado projetos, propostas e levado a efeito discussões sobre as alternativas para sair do verdadeiro caos estabelecido, porém ainda não tiveram a capacidade de transformar tudo isso em ação efetiva para a melhoria da qualidade do serviço de transporte coletivo prestado à população, sequer têm conseguido sensibilizar os tomadores de decisão, no Executivo e Legislativo Federal, para formular uma Política Nacional, mesmo sendo esse serviço considerado essencial num país eminentemente urbano.
O transporte coletivo urbano sempre é tema de destaque nos períodos eleitorais e cai no esquecimento no decorrer da gestão, razão pela qual se chegou a esta situação de degradação e, a contar pelo que estamos ouvindo dos candidatos a prefeito, não haverá mudança positiva na mobilidade urbana tão cedo.
Recordando um velho colega de trabalho que dizia: “esta área em que militamos é muito ingrata, pois o melhor elogio que recebemos é o silêncio, até quando um projeto que implantamos resulta bem sucedido”.
Assim, se a maioria dos atuais candidatos tivesse ficado calada quanto ao transporte coletivo, já estaria dando uma boa contribuição para esta área.
*Especialista em Mobilidade Urbana
Membro do Conselho do MDT e ANTP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

16 + doze =