A mulher, de 46 anos de idade, suspeita de matar a própria companheira com mais de 90 facadas, não explicou o motivo do crime e permaneceu em silêncio durante o interrogatório. Ela foi presa ontem, em Campina Grande.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Crimes Contra Pessoa de João Pessoa (DCCPes\JP). Após os crimes, a suspeita fugiu e somente foi localizada na cidade de Campina Grande, por equipes da Delegacia de Crimes Contra Pessoa do município. Segundo informações da delegada Emilia Ferraz, a Polícia apurou que a suspeita já possuía antecedentes criminais. Contra ela havia um mandado de prisão expedido pela Justiça, por conta de outro homicídio ocorrido na cidade de Santo Antônio, no Rio Grande do Norte, em 2014.

Além do feminicídio, ela é investigada por dupla tentativa de homicídio praticada contra a mãe e um sobrinho da vítima. Os crimes foram registrados no último sábado (20), no bairro do Gramame, em João Pessoa. Os detalhes foram revelados durante uma entrevista coletiva, realizada na sede da Central de Polícia Civil de João Pessoa.

“Foi um desfecho trágico para os cinco anos de relacionamento que a suspeita mantinha com a vítima. Ao longo desse período, a vítima já vinha sofrendo violência moral e psicológica, sendo ameaçada e coagida pela suspeita, que possui um temperamento agressivo”, afirmou Emilia Ferraz.

Com a presa, os policiais encontraram a quantia de R$ 3.800 que, provavelmente, seriam usados na fuga para fora da Paraíba. E localizaram também as roupas usadas por ela no dia do crime. As vestimentas ainda estão com manchas de sangue da vítima. Foram apreendidas e serão encaminhadas à perícia.

‘Como ela permaneceu em silêncio, não explicou a motivação de tanta brutalidade contra a vítima. Foram mais de 96 facadas. Além disso, há indícios que levam a polícia a crer que essa suspeita ainda tentou matar a mãe e o sobrinho da vítima por envenenamento”, acrescentou a delegada.

No dia do crime, a ocorrência foi atendida pela equipe plantonista da DCCPes. Ao chegar ao local, os policiais encontraram a mãe da vítima e a criança de sete anos com sintomas de envenenamento. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada e socorreu os dois para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena.  Após receber atendimento, a idosa e o menino receberam alta.

A presa foi transferida para o Sistema Prisional e será apresentada à Justiça durante audiência de custódia nesta terça-feira (23).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

1 + oito =