Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

Na última terça-feira (16), Karina Rondini, 31 anos, protagonizou uma cirurgia inédita no Brasil, responsável por retirar um tumor de 30 kg de seu corpo. Desde criança, ela possui uma doença genética rara, a neurofibromatose tipo 1 (NF1), e os procedimentos para retirar os tumores de seu corpo eram arriscados e limitados. Foi o cirurgião plástico norte-americano McKay McKinnon que realizou a cirurgia, no Hospital Marcelino Champagnat (Curitiba).

A cirurgia custou cerca de R$ 200 mil, e a maior parte do valor foi arrecadada por meio de uma vaquinha feita pelo do site Razões para Acreditar. Antes, o procedimento estava previsto para 2020, mas a família de Karina só conseguiu alcançar o valor necessário neste ano. Ao todo, foram removidos 32 kg, o que representa cerca de 80% dos tumores que Karina tinha no corpo.

O restante dos tumores ainda será removido depois que a paciente estiver bem recuperada. O cirurgião destaca que, como a doença ainda está em curso e não tem cura, pode ser que novos tumores surjam em outros lugares, mas no momento, o corpo da paciente não indica o aparecimento de novas lesões.

Nas redes sociais, Karina compartilhou um vídeo depois de realizar a cirurgia: “Primeiros passos após a retirada do tumor, retirados em torno de 32 kg. Primeiros passos para uma vida nova a seguir”, escreveu.

Confira:

O que é neurofibromatose tipo 1?

A neurofibromatose ocorre por uma mutação genética, e geralmente afeta o sistema neurológico e a pele, mas pode ter manifestações distintas de acordo com o organismo e a mutação de cada paciente. Há dois tipos: a NF1 e a NF2, considerada mais rara.

A NF1 é caracterizada por manchas cor de café-com-leite, nódulos e neurofibromas dérmicos espalhandos pelo corpo. É uma doença multissistémica, que pode acometer não a pele, como também os olhos e os sistemas osteomuscular, nervoso, endócrino e cardiovascular. Em cerca de 50%, a condição é hereditária de forma autossômica dominante, e é caracterizada em suas formas moderadas e graves, além da formação de tumores, por baixa estatura, macrocrania, distúrbios da voz e da motricidade oral e redução da força muscular.

Compartilhe e nos ajude a continuar com o projeto

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois − 2 =