O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse, na manhã desta quarta-feira (13/10), na chegada ao Palácio do Planalto, que sugeriu outro nome ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a vaga no Supremo Tribunal Federal ( STF). O chefe do Executivo indicou o ex-advogado da União André Mendonça para o cargo, mas o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ainda não marcou a sabatina.

O geral se disse à postura de Alcolumbre de não pautar a sabatina no Senado. Nesta quarta-feira, completam-se três meses desde a indicação do mandatário do país.

“Acho que não está correto isso aí. O senador Alcolumbre deveria cumprir a tarefa dele, de presidente da CCJ, botar o nome para ser votado e acabou. Se for aprovado, muito bem. Se não for, muito bem também. É o papel do Senado, confirme ou não a indicação do presidente da República. Uma coisa eu digo claramente: não está correto ”, argumentou Mourão.

Questionado se o governo teria um plano B ou se ele próprio teria um nome alternativo à cadeira da Suprema Corte, Mourão disse que sugeriu ao titular do Planalto.

“Tenho, mas minha indicação o presidente não quer. Não vou falar quem ”, respondeu Mourão. Então, um repórter perguntou se era Thompson Flores, ex-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

O vice-presidente confirmou. “Esse aí. Já havia conversado com o presidente sobre o nome há muito tempo, e o presidente também tem conhecimento do papel e da competência técnica e profissional do desembargador, mas ele tem outras variáveis ​​que leva em consideração para essa decisão ”, explicado.

Indicado de Mourão, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz é um desembargador federal e ex-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. É neto de Carlos Thompson Flores, que foi ministro do STF, e trineto de Carlos Thompson Flores, fundador da Faculdade Livre de Direito de Porto Alegre.

Críticas a Alcolumbre

Nada satisfeito com a demora do presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em marcar a votação, no presidente Jair Bolsonaro direcionou duras críticas ao ex-aliado.

Segundo o presidente, o que o senador “está fazendo, não se faz”. O mandatário também comparou o ato de Alcolumbre com uma “tortura”.

“[…] O Davi Alcolumbre é uma pessoa que eu ajudei por ocasião das viagens ainda na Câmara, depois dele pediu apoio para eleger o Rodrigo Pacheco, eu ajudei. Tudo que foi possível durante os dois anos comigo e, de repente, ele não quer o André Mendonça ”, disse Bolsonaro, no domingo (10/10), em entrevista à imprensa.

“Não tem motivo para mudar André Mendonça. É uma pessoa que é evangélica, é um compromisso meu e tem uma bagagem jurídica enorme. Há interesse por partes de alguns senadores de colocar um nome mais simpático a eles, mas o que o Davi Alcolumbre faz não é justo. É uma verdadeira tortura contra um chefe de família ”, pontuou o mandatário alguns dias depois.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × 5 =