O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira, 4, que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre uma notícia de fato feita à Corte por uma advogada, que pede o afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a prisão em flagrante dele por supostamente obstruir as investigações da Operação Akuanduba.

Deflagrada pela Polícia Federal por ordem de Moraes, a ação mirou o ministro por supostamente agir em benefício de madeireiros que desmatam ilegalmente áreas da Amazônia e cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Salles. Ele também teve os sigilos bancário e fiscal quebrados pelo ministro do Supremo.

Na notícia de fato ao STF, a advogada Cibele Berenice Amorim cita reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, segundo a qual Salles não entregou seu celular à PF, como havia determinado Alexandre de Moraes, e alegou aos agentes da PF que estava sem o aparelho. O telejornal citava uma reportagem do jornal O Globo, que noticiou a ocultação do celular do ministro do Meio Ambiente.

Ainda nesta sexta, antes do despacho de Moraes, os advogados de Ricardo Salles, Roberto Podval e Fernando Fernandes, haviam feito um pedido ao ministro para que a solicitação da advogada fosse retirada dos autos, “tendo em vista que foi protocolada por pessoa sem legitimidade no feito”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

doze + treze =