O ministro da Saúde Marcelo Queiroga participou da entrevista coletiva semanal da Prefeitura do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (18), e confirmou que a pasta atenderá o pedido do presidente Jair Bolsonaro e fará uma pesquisa sobre o uso das máscaras.

“O presidente está empolgado com a vacinação e, vendo outros países que já estão tirando as máscaras, nos pediu uma pesquisa sobre o uso de máscara. Então vamos fazer a pesquisa que é um parecer técnico para dar as respostas que os médicos e a sociedade em geral querem saber”, afirmou Queiroga.

Outro assunto tratado na entrevista foi sobre a chegada de novos lotes de matéria-prima para a Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz) manter a produção da AstraZeneca. O ministro garantiu que não havará nova paralisação na fabricação de imunizantes.

“Não vai haver período sem produção de vacina da Fiocruz. Por isso, nós tratamos o acordo com a AstraZeneca e com o laboratório da China para trazer nova remessa de IFA para produzir mais 50 milhões de doses de vacina”, disse o comandante da Saúde.

Além disso, ele reafirmou que todos os brasileiros serão vacinados até o fim do ano. “Nossa estratégia não é só usar a AstraZeneca, já que até setembro teremos 100 milhões de doses da Pfizer e até dezembro mais 100 milhões. Até o final do ano, toda a população brasileira acima de 18 anos estará vacinada. Temos mais de 630 milhões de doses compradas e temos a chegada dessas doses garantidas. ntem, mostramos que temos capacidade de vacinar mais de 2 milhões de pessoas por dia”, explicou Queiroga

Pesquisa em Paquetá

No próximo domingo, os moradores da Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro, serão vacinados em massa, com o fármaco AstraZeneca, para que seja feito estudos clínicos da efetividade, segurança e ação do imunizante. A pesquisa é semelhante a feita nas cidades de Serrana e Botucatu, no interior de São Paulo.

Marcelo Queiroga afirmou que o Ministério aprova e incentivas esses estudos clínicos desenvolvidos no Brasil, porque serão fundamentias para traça o planejamento da campanha de imunização contra a covid-19 no ano que vem.

“No ano que vem precisamos adotar uma estratégia de imunização. Não sabemos se teremos de aplicar uma ou duas doses e para saber é só com pesquisas como em Botucatu, Serrana e na Ilha de Paquetá. E todas as pesquisas são feitas com aprovação do Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa)”, disse o ministro.

Ainda no Rio de Janeiro, Marcelo Queiroga assinou agora de manhã portaria que libera R$ 2,8 milhões para a ampliação do programa Consultório na Rua e reforço das ações de combate à covid-19 na população de rua.

De acordo com o Ministério da Saúde, aproximadamente 140 mil cidadãos maiores de 18 anos, que se encontram em condição de extrema pobreza, devam se vacinar contra o novo coronavírus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

12 + dezoito =