Mais uma denúncia grave ronda o município de Bayeux, como se já não bastasse ter passado por tantos escândalos, a velha política mais uma vez volta a atacar na cidade!
A vergonha da vez são “carta-renúncia” para uma suposta tentativa de eleger Noquinha (PSL). A carta seria basicamente um pré-acordo com 8 vereadores novatos e 3 veteranos na câmara. A informação da conta de que 10 vereadores foram obrigados  assinaram cartas renunciando seus mandatos como forma de assegurar a fidelidade e impedir que eles migrem para outra candidatura

OBJETIVO

Além de fazer a mesa diretora da Câmara o grupo teria o intuito é “derrubar” a prefeita Luciene Gomes (PDT), e convocação de uma nova eleição. É importante frisar que a câmara de Bayeux renovou 12 dos 17 vereadores, e já sabe que 8 deles já estão contaminados pelas velhas práticas.

O primeiro vazamento da carta renúncia teria ocorrido por  “Ética religiosa”.  Um pastor partilhou das informações em um culto da Igreja Universal com seus superiores revelando que o vereador de Bayeux ligado a Igreja teria assinado um carta renuncia do mandato mesmo antes de assumir o mandato. O fato gerou uma grande revolta no seio da igreja.

O segundo vazamento teria ocorrido com a participação e descontentamento de parentes de uma das vereadoras que assinou a carta renuncia numa em reuniões ocorrida na Câmara de Bayeux depois da eleições de 15 de Novembro. Os parentes, esposo e filho, teriam vazado a informação por não terem concordado com sua assinatura da uma vereadora no “contrato”.

A redação do Polêmica Paraíba tentou entrar em contato com o Pastor Josimar, tendo o mesmo desligado o celular, minutos depois, o pastor retornou à ligação dizendo que estava “na estrada” e retornava e não retornou. O contato também foi tentado com outros vereadores para saber sobre  a carta renúncia. Ligamos para a vereadora Rosiene Sarinho, mas também foi sem sucesso. As 10 cartas renuncia teria sido levada para um cartório da cidade de Santa Rita para autenticação das assinaturas. O polêmica para está apurando junto aos cartórios daquela cidade para comprovar o fato.

De acordo com um advogado parceiro do Polêmica Paraíba, as assinaturas no documento citado se enquadram em crimes, que são eles: estelionato, Art. 171 do código penal, e associação criminosa, Art. 228 do código penal.

Conforme o Polêmica Paraíba apurou  junto a membros da Igreja Universal os cabeças da “organização”,  para eleger o vereador Noguinha sob pressão de “cartas renúncias” são o atual presidente do Legislativo Jefferson Kita (Cidadania),  Roni Alencar (PMN) e o Inaldo Andrade (Republicanos).

Roni Alencar (PMN), veterano na câmara elegeu Nildo de Inácio (PP), que é seu amigo e assessor.
Inaldo Andrade (Republicanos), que foi candidato à prefeitura de Bayeux, e ex-presidente da câmara, elegeu Val da Nordece (republicanos), que também é uma espécie de assessor de Inaldo; e Jefferson Kita (Cidadania), ex-prefeito interino de Bayeux elegeu sua prima Dany de Kita (cidadania). Ainda não se sabe se estes três vereadores também assinaram as cartas renúncia.

É importante destacar que em uma uma futura e possível queda da prefeita eleita Luciene Gomes, o vereador Noquinha voltaria a ser prefeito de Bayeux.

O OUTRO LADO: 

A redação do Polêmica Paraíba entrou em contato com Noquinha (PSL), e o vereador negou ter assinado a carta e ainda disse não ter conhecimento sobre o documento. Noquinha ainda disse que a denúncia é a oposição querendo fazer “tumulto”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

16 + sete =