O PT tem procurado governadores adversários em busca de compor um novo pacto federativo para 2023. Em meio a protestos golpistas que bloquearam estradas pelo país, o objetivo é tentar articular um início de mandato mais tranquilo para o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Enquanto o núcleo duro da campanha — chefiado pela presidente do partido, Gleisi Hoffmannn — foca no governo de transição, interlocutores da aliança (das dez legendas que compuseram a chapa) buscam os nomes que vão governar os estados a partir de 1º de janeiro. O PT avalia que pacificar a relação com os governadores no início do mandato é o primeiro passo para que o novo governo possa focar na articulaç… – Dos 27 governadores eleitos, apenas 10 compunham a chapa petista ou foram apoiados por Lula. Por isso, a aliança tem escalado lideranças locais para negociar com os eleitos nos estados, incluindo nomes do PL do presidente Jair Bolsonaro (PL), como Cláudio Castro, no Rio…. –

Um novo pacto federativo. Durante a campanha, Lula repetiu com frequência a crítica de que Bolsonaro não ouvia governadores, só apoiadores, e não recebia prefeitos. Como contraponto, propôs repetidamente reunir os 27 governadores em Brasília ainda na primeira quinzena de mandato para dialogar e ouvir demandas. Mais do que o tom eleitoral para se estabelecer como antagonista de Bolsonaro e se dizer um articulador eficiente, a intenção de Lula é compor um início de mandato com menos embates políticos. O PT já esperava que a transição fosse um período conturbado — e os bloqueios das estradas por apoiadores do presidente indicam isso — e entende que, quanto menos turbulenta for a rela… –

Congresso é principal foco na transição. O entorno de Lula tem priorizado a futura relação com o Congresso porque sabe que depende dela o avanço das propostas e promessas feitas por Lula na campanha, como a “pacificação do país”, o aumento real do salário mínimo e a manutenção do valor de R$ 600 do Auxílio Brasil. No Senado, a gestão Lula deverá apoiar a reeleição do presidente Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Além de ser a figura que pode atrair mais ainda o PSD, o senador é visto pela equipe do petista como o nome certo para contribuir com o desejado governo de coalizão. O senador eleito Wellington Dias (PT-PI) tem sido o responsável pelas articulações na Casa. Nesta semana, ele parti… –

 

UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

3 × cinco =