Sondado sobre sua disposição em comparecer às manifestações contra o governo Bolsonaro do último sábado, dia 29, o ex-presidente Luiz Inácio da Silva respondeu que não seria o caso.

Ele ainda não quer ser visto em atos públicos para não dizerem que é um homem de duas palavras – recomenda o isolamento por causa da pandemia, mas provoca aglomerações.

Não quer parecer-se com Bolsonaro. Esta semana, ocupou parte dos seus dias submetendo-se a exames no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, aos cuidados do cardiologista Roberto Kalil.

A saúde vai bem, e por ora Lula só quer conversar, a sós ou em pequenos grupos. Mas começou a ser aconselhado a viajar ao Nordeste, sua fortaleza de votos, para marcar presença.

Do marketing de sua campanha a presidente no ano que vem, se encarregará um publicitário baiano que já trabalhou para o senador Jaques Wagner e o PT nacional.

Das redes sociais, o jornalista Franklin Martins, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) durante o segundo mandato presidencial de Lula.

No próximo dia 23, o Supremo Tribunal Federal vai retomar o julgamento da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro no processo do tríplex de Lula. Faltam votar dois ministros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

oito + 12 =