A gestão do Coletivo Girassol na Paraíba montou uma verdadeira engenharia para acelerar a contratação da Cruz Vermelha Brasileira pelo Governo do Estado.

O ex-governador Ricardo Coutinho não esperou a tramitação de projeto de lei na Assembleia Legislativa da Paraíba para criar a legislação que garantisse a contratação de Organizações Sociais. Ele se apressou e em 4 de julho de 2011 assinou e publicou a Medida Provisória nº 178/2011 que garantia ao Governo a possibilidade de contratar a CVB.

Dois dias após a publicação da Medida Provisória 178/2011, em 6 de julho de 2011 o então secretário de Saúde do Estado, Waldson de Souza, assinava o tão esperado contrato do Governo com a Cruz Vermelha Brasileira.

Mas a engenharia criada pelo ex-governador Ricardo Coutinho ainda tinha um “jabuti” que desobrigava-o de computar as despesas com os contratados pela Cruz Vermelha no ítem de despesa com pessoal, conforme determina a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Ao longo dos anos , o Governo do Estado, não computava a despesa com trabalhadores contratados pelas Organizações Sociais no ítem de despesa com pessoal.

O Ministério Público de Contas junto ao TCE da Paraíba formalizou uma representação perante a Corte de Contas, em face do Governador do Estado da Paraíba, relatando a possível inconstitucionalidade do artigo 13, §1º, da Lei Estadual nº 9.454/2011 – acrescido  pela Lei Estadual nº 11.233/2018, o qual prevê a exclusão, do cômputo das despesas com pessoal do Executivo e do ente, nas prestações de contas e demonstrativos contábeis, dos gastos com contratados pelas Organizações Sociais que desempenham atividades-fim ou atividades permanentes, para fins de observância dos limites previstos na Lei Complementar nº 101/2000 (LRF).

A representação do Ministério Público de Contas ocorreu em fevereiro de 2019 , portanto, bem antes da prisão do ex-governador Ricardo Coutinho, e de seus ex-secretários além de empresários, na sétima fase da operação Calvário, em dezembro de 2019.

A representação já tem data para julgamento no TCE, será no próximo dia 19 de maio, conforme publicação no Diário Eletrônico do TCE.

O parecer do MP de Contas é por expedir alertar ao governador João Azevedo que se abstenha de aplicar o dispositivo que trata da questão, e encaminhar a representação a Procuradoria Geral da República e à Procuradoria Geral de Justiça na Paraíba para adoção das providências cabíveis, para fins de controle concentrado de constitucionalidade.

Blog do Marcelo José

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dez − quatro =