O embaraço do governo federal em lidar com a pandemia do novo coronavírus e com o recrudescimento da crise fiscal são as principais ameaças à retomada da economia em 2021, apesar do carrego estatístico impulsionado pela alta de 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no último trimestre do ano passado. Os dois vetores já começam a pressionar o otimismo dos analistas, que passam a enxergar dados menos robustos do que no início do ano. Economistas e entidades consultadas pelo Banco Central estimam crescimento de 3,3% em 2021, segundo o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 1º. Há um mês, a projeção apontava avanço de 3,5%. A conta da falta de habilidade para consolidar o ritmo de imunização já deve ser cobrada neste primeiro trimestre com a retração das atividades na comparação com o período anterior. A letargia na vacinação em massa em meio ao pior momento da pandemia arrisca expandir o desempenho negativo para os meses de abril, maio e junho, levando o Brasil novamente a uma recessão técnica, fenômeno que caracteriza dois trimestres seguidos de contração econômica. Já o risco de descontrole da dívida pública voltou a dar as caras no fim de janeiro, quando o avanço dos números de infectados e mortos pela Covid-19 começou a pressionar o governo para a retomada do auxílio emergencial. O novo gasto sem pilares fundamentais para a sustentação do crescimento cíclico, como as agendas de reformas e privatização, aumenta a percepção de irresponsabilidade da classe política com os cofres públicos.

Analistas ouvidos pela Jovem Pan apontam como as crises econômica e sanitária se retroalimentam. A necessidade do aumento dos gastos para frear o avanço da pandemia, que por sua vez é agravada pela omissão do próprio governo federal em prover vacinas — e pelas ações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que especialistas em saúde classificam como negacionistas —, é um exemplo. A correlação entre essas duas frentes também é exposta com a ausência de uma coordenação da agenda de reformas e como isso cria um cenário para a erosão da atividade econômica. Sem o auxílio emergencial, a crise financeira força as pessoas a saírem de casa para buscar alguma fonte de renda, contribuindo ainda mais para o avanço da Covid-19. Independentemente da situação, o resultado tolhe a capacidade do país se recuperar após o tombo de 4,1% do PIB registrado no ano passado. “Até se pode comemorar que a queda veio bem menor do que o esperado seis meses atrás. Mas, infelizmente, o que vemos na área política, tanto com a pandemia, quanto na crise fiscal, vai na direção para derrubar o PIB em 2021. Celebrar os resultados nesse contexto é olhar para o retrovisor com nuvens sisudas à frente”, afirma Carlos Kawall, diretor do ASA Investments e ex-secretário do Tesouro Nacional. Para o economista, o cenário sem grandes expectativas dá margem para crescimento entre 2% e 2,5% em 2021.

Alexandre Schwartsman, consultor econômico e ex-diretor do Banco Central, projeta alta do PIB para algo em torno de 2,8% a 3,2%, puxado pelo impulso acima do esperado registrado no quatro trimestre do ano passado. Apesar do número positivo, o analista é enfático ao afirmar que o princípio para qualquer plano de recuperação é a imunização massiva dos brasileiros. “Sem resolver a questão sanitária, não vai resolver a questão econômica”, diz. Os indicativos emitidos até então, no entanto, não apontam para esta direção. Dados do site Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford, mostram que, pouco mais de dois meses e meio entre o início da vacinação no país, em 17 de janeiro, até esta quinta-feira, 4, somente 4,5% da população foi imunizada. “A visão é péssima. Nós temos basicamente duas vacinas, que são ok, mas há muito problema na logística. Quanto tempo irá levar para vacinar 100% da população? Se não acelerar isso, não resolve o problema”, diz Schwartsman.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × 2 =