O prefeito de Cabedelo, Vítor Hugo (DEM), se tornado alvo de mais uma denúncia do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). A ação criminal protocolada nesta quarta-feira (1º) inclui no rol de acusados, também, a ex-presidente da Câmara Municipal, Geusa Ribeiro e a servidora do município, Fabiana Maria Monteiro Régis. As acusações incluem suspeitas de contratação de servidores fantasmas, recebimento de valores e supostas irregularidades na articulação para a formação da mesa diretora da Câmara, que levou Vítor Hugo ao comando do Executivo.

Os promotores relatam que tudo foi iniciado com a compra do mandato do ex-prefeito Luceninha, em 2013. Ele deixou o cargo para dar lugar ao então vice-prefeito, Leto Viana. O sucessor, de acordo com a denúncia, teria arquitetado uma organização criminosa com o intuito de se manter no poder. Vítor Hugo, segundo o Ministério Público, teria valor para aderir ao prefeito, com direito a indicação, também, de servidores fantasmas. As articulações cantar contribuído também para o gestor assumir o comando da prefeitura, com o afastamento de Leto.

“O aprofundamento da investigação realizada, com uma análise ampla do robusto quadro probatório reunido ao longo da Operação Xeque-Mate, a este GAECO e à Polícia Federal realizam, peremptoriamente, que VITOR HUGO PEIXOTO deve integrar o grupo criminoso e cometeu diversos delitos no seu âmbito. Com efeito, o trabalho investigativo realizado pelos órgãos de persecção penal citados conhecidos, em detalhes, que houve uma verdadeira captura dos Poderes Executivo e Legislativo de Cabedelo / PB pela ORCRIM ”, diz a denúncia.

Sobre Geusa, uma denúncia aponta que ela teria integrado a suposta organização criminosa, inclusive com o recebimento de valores e indicação de pessoal para a Prefeitura. “Constatou-se que ela leva vantagem indevida (R $ 10.000,00 em parcela única, além de R $ 6.000,00 em duas parcelas) para aderir à base do governo de LETO VIANA, de modo a pautar toda a sua movimentação favoravelmente aos interesses pessoais do então prefeito ”, diz a denúncia protocolada pelo Gaeco.

De acordo com a acusação, a servidora Fabiana Maria Monteiro Régis teria atuado como a ponte para a entrega de valores aos vereadores. Ela teria tido papel determinante do episódio das cartas-renúncia de vereadores, usado para cobrar a fidelidade dos apoiadores do prefeito. A servidora também era responsável pelo pagamento de dinheiro vivo aos parlamentares que compartilham a organização ciminosa.

Na ação, o Ministério Público pede a perda do cargo, emprego, função pública ou mandato. O órgão também defende o pagamento de multa por danos morais e materiais pelos supostos prejuízos causados ​​de R $ 49 milhões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

3 × 4 =