O presidente da CBF, Rogério Caboclo, foi denunciado, nesta sexta-feira, por uma funcionária da confederação por assédio moral e sexual. De acordo com o portal “GloboEsporte”, a acusação foi protocolada na Comissão de Ética da CBF e na Diretoria de Governança e Conformidade. A autora da denúncia relatou os abusos vividos por ela desde abril de 2020, e afirma ter provas dos episódios.

No documento, a funcionária da CBF relata constrangimentos em viagens e reuniões com Caboclo na presença de outros diretores da entidade. Ela também descreve um episódio em que o presidente perguntou se ela “se masturbava” e, em outro momento, tentou forçá-la a comer um biscoite de cachorro enquanto a chamava de “cadela”.

– Tenho passado por um momento muito difícil nos últimos dias. Inclusive com tratamento médico. De fato, hoje apresentei uma denúncia ao Comitê de Ética do Futebol Brasileiro e à Diretoria de Governança e Conformidade, para que medidas administrativas sejam tomadas – disse a funcionária, que permaneceu anônima ao “GloboEsporte”.

Ela também relata que Caboclo expôs sua vida pessoal, criando histórias falsas sobre supostos relacionamentos que a funcionária teve com membros da CBF. O presidente também foi acusado de ter cometido estes abusos enquanto estava sob efeito de bebidas alcoólicas que ele pedia para que ela escondesse em “lugares combinados” para consumo durante o expediente.

O caso já era de conhecimento de membros da CBF, desde que a funcionária se licenciou por motivos de saúde e esperava-se uma denúncia contra Rogério Caboclo. Caso o presidente seja derrubado, a confederação realizará uma eleição entre os oito vices para decidir que continuará no comando da entidade até 2023.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

1 × três =