Em resposta a questionamentos do Ministério Público Federal sobre o porquê de mudanças e atrasos na entrega da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19, a Fundação Oswaldo Cruz alegou que a complexidade da produção e o “rigoroso controle de qualidade” foram alguns dos fatores que atrasaram o planejamento para a produção da vacina pela instituição.

O ofício foi enviado nesta terça-feira (13) pela presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, em resposta a questionamentos da Procuradoria da República em Goiás. “Processos fabris do tipo estarão sempre sujeitos a intercorrências diversas, a exemplo do funcionamento do extenso maquinário de produção que por sua vez é igualmente inspecionado e certificado para sua utilização dedicada à produção da vacina”, argumentou a instituição.

O processo de controle de qualidade, lembra a Fiocruz, é “complexo e rigoroso”, o que pode demandar maior prazo para a entrega de vacinas. O texto também menciona a dependência do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), importado da China.

Na semana passada, a CNN mostrou que a instituição reduziu em 1,4 milhão de doses a previsão de entregas para o mês de abril. Mas a previsão é que a partir desta semana, a instituição passe a entregar até 5 milhões de doses. 2,5 milhões devem ser entregues ainda hoje.

Como funciona o controle de qualidade

Hoje a Fiocruz trabalha com a produção diária de 900 mil doses de vacinas. A fábrica de Bio-Manguinhos opera 5 a 6 dias por semana – são necessários um ou dois dias para manutenção dos equipamentos que transformam o IFA em vacina.  A previsão é de que em maio essa produção diária passe para 1,2 milhão de doses.

Há um intervalo de três semanas entre a produção das vacinas e a liberação para o Ministério da Saúde. O que aconteceu neste mês, de acordo com a instituição, e que alguns lotes ficaram retidos para mais testes. Três são feitos:

– o de potência, que tem duração de 7 dias e mede a capacidade do vírus de entrar na célula e produzir anticorpos;

– o teste de esterilidade, que avalia se a vacina não está contaminada por fungos ou bactérias (14 dias)

–  o teste de estabilidade, para verificar se a vacina conseque se manter segura em temperaturas diferentes.

E as vacinas da Índia?

Não há previsão de que alguma parte 8 milhões de doses negociadas pela Fiocruz com o Instituto Serum, da Índia, cheguem no Brasil ainda neste mês. O acordo de 10 milhões de doses foi fechado em fevereiro. 2 milhões chegaram e a previsão é de 4 milhões chegassem em março (não vieram) e mais 4 em abril (sem previsão).

A Fiocruz ainda tenta liberar essas doses, mas enfrenta resistências da Índia, que também vive momento grave na pandemia. O plano A da instituição é acelerar a produção com o IFA no Brasil e conseguir, no final deste mês, a aprovação da Anvisa para produzir a matéria-prima do imunizante no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

8 + três =