Candidato à presidência da República em 2018, Fernando Haddad (PT) se retirou da Folha de São Paulo , onde mantinha uma coluna . Ele afirma ter sido atacado pelo jornal “com expediente discursivo desrespeitoso, ao estilo bolsonarista”.

Haddad afirma que foi atacado pela Folha após repercutir negativamente um artigo do Estadão , sugerindo que o STF mantivesse a condenação de Lula . Segundo o petista, a ação beneficiaria a candidatura de Bolsonaro , uma vez que o ex-presidente estaria fora da eleição de 2022.

“Em editorial, segunda-feira (4/1), este jornal resolveu me atacar de maneira rebaixada. Incapaz de perceber na minha atitude a defesa do Estado de Direito, interpretou-a como tentativa oportunista de eu próprio obter nova chance de disputar a eleição presidencial, ou seja, que seria um gesto motivado por interesse pessoal mesquinho”, escreveu Haddad em seu último texto, intitulado “Despedida”.

“Simplesmente desconsiderou que, nos últimos dois anos, em todas as oportunidades, inclusive em entrevista recente ao jornal, defendi sempre a mesma posição, qual seja, a precedência da candidatura de Lula”, afirma.

Em um trecho mais incisivo, o petista afirma que a Folha de São Paulo demonstra pouca compreensão com gestos de aproximação e sacrifica as bases de urbanidade que o pluralismo exige. “Infelizmente, constato que, nos momentos decisivos, a Folha, em lugar de discutir ideias, prefere agredir pessoas de forma estúpida”, escreve Haddad.

Boulos retorna à Folha
Colunista da Folha de Sâo Paulo até 2017, Guilherme Boulos , ex-candidato à prefeitura de Sâo Paulo, retornou ao expediente. O escritor, bacharel em filosofia, psicanalista, ativista e político de 38 anos também atua como coordenador do MTST.

Boulos confirmou seu retorno ao jornal antes de Fernando Haddad anunciar que estava se retirando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 + 2 =