Em meio ao agravamento da pandemia em São Paulo, o cemitério municipal Vila Formosa, o maior da América Latina, voltou a registrar aglomeração neste domingo (21). Familiares relataram filas para a liberação dos corpos das pessoas que morreram de Covid-19 e falta de distanciamento social.

“Eles colocam os corpos de vítimas das Covid-19 em uma sala, e eles vão liberando conforme vão chegando os carros para levar para os sepultamentos. Com isso, forma-se uma aglomeração, as famílias ficam todas paradas ali, esperando a liberação do caixão”, disse Debora Nogueira, que esteve no local neste domingo.

Procurada pelo G1, o Serviço Funerário, da Prefeitura de São Paulo, informou que “as equipes de fiscalização atuam nos cemitérios municipais instruindo as famílias quanto às medidas de segurança nesse período de pandemia”.

Com o aumento das mortes na capital paulista e consequente impacto no Serviço Funerário, a pasta anunciou um reforço nas contratações. “Além dos 173 sepultadores efetivos ativos e dos 150 terceirizados contratados em 2020 e início de 2021, mais 35 iniciarão na próxima semana”.

No início da pandemia, a Prefeitura aumentou a capacidade de enterros e usou o cemitério Vila Formosa como um “centro de logística” para os mortos da Covid-19.

O Serviço Funerário informou ainda que os velórios permanecem proibidos em casos de morte por Covid, e limitados ao tempo máximo de uma hora de duração em casos de morte não ocasionadas pela doença.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

vinte − quatro =