Os anos de trabalho resultaram em uma coleção meticulosamente organizada. As mais de 70 mil moedas de Nathalino Ruy viraram herança para os filhos e netos depois que o idoso, de 83 anos, morreu de Covid-19, em março de 2021, em Jundiaí (SP).

O acervo tinha moedas de vários países, entre eles Japão, Turquia, União Soviética, Grécia e Emirados Árabes. E o desejo de Nathalino era simples: que os herdeiros usassem o valor das moedas para fazer o bem. Com isso em mente, a família resolveu fazer uma doação de panetones e vales para entidades assistenciais da cidade.

 

“Nós contamos todas as moedas e chegamos a um valor de mais de R$ 20 mil. Decidimos ir até um supermercado que fazia a troca por panetones. O que não conseguimos trocar transformamos em dois vales, que foram doados para famílias necessitadas. Esse era o desejo dele”, conta o filho, Leandro Ruy.

A grande coleção de Nathalino pesava mais de 240 quilos e foi preciso organizar um mutirão, que durou quase 24 horas, para contar tudo.

“Ele sabia tudo sobre moedas e conseguiu passar grande parte desse conhecimento para uma das netas que se interessava pelo assunto. Ela está ajudando com as pesquisas sobre os valores das moedas colecionáveis”, explica Leandro.

A paixão pelas moedas começou quando Nathalino tinha 14 anos e recebeu seu primeiro salário. Os trocos recebidos iam direto para o pote e, com o tempo, a coleção foi crescendo.

Em 1994, com a chegada da nova moeda, o real, a coleção passou a se misturar com as economias do idoso, que guardava todos os trocos que recebia das idas ao mercado. Os amigos que viajavam ao exterior, sabendo da paixão de Nathalino, sempre davam de presente as moedas dos países visitados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 + onze =