O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin afirmou nesta segunda-feira (15) que é “intolerável e inaceitável qualquer forma ou modo de pressão injurídica sobre o Poder Judiciário”. A declaração foi dada depois da revelação de que ministros do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) atuaram em conjunto para escrever nota do general do Exército Eduardo Villas Boas sobre a atuação do Supremo num julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em abril de 2018, o órgão julgaria um habeas corpus do petista. Fachin era o relator do caso. “Diante de afirmações publicadas e atribuídas à autoridade militar e na condição de relator no STF do HC 152752, anoto ser intolerável e inaceitável qualquer forma ou modo de pressão injurídica sobre o Poder Judiciário”, disse o ministro hoje.

A declaração de tal intuito, se confirmado, é gravíssima e atenta contra a ordem constitucional. E ao Supremo Tribunal Federal compete a guarda da Constituição”Edson Fachin, ministro do STF

À época, Villas Boas publicou duas notas em rede social em que falava do “repúdio à impunidade”. O texto foi articulado por “integrantes do Alto Comando” da caserna, segundo narrou no livro “General Villas Bôas: conversa com o comandante”, de Celso de Castro.

O jornal Folha de S.Paulo revelou ainda que o texto chegou a ser atenuado e que ministros do governo Bolsonaro participaram da redação antes de ele ser divulgado. Um deles seria o diretor-geral da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

Ministro do STF menciona tentativa de “golpe” nos EUA

Na nota de hoje, Fachin lembra que é dever das Forças Armadas zelar pela democracia. Ele destacou o episódio em que militantes de extrema-direita ligados ao ex-presidente dos EUA Donald Trump invadiram o Congresso por alegaram suposta fraude nas eleições que resultaram na vitória de Joe Biden, do Partido Democrata. Cinco pessoas acabaram mortas. Para o ministro do STF, foi uma tentativa de golpe de Estado

Frustrou-se o golpe desferido nos Estados Unidos da América do Norte contra o Capitólio pela postura exemplar das Forças Armadas dentro da legalidade constitucional”Edson Fachin, ministro do STF

Em abril de 2018, Lula não conseguiu o habeas corpus. Horas depois, teve sua ordem de prisão decretada. Ele havia sido condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex. Foi solto em novembro de 2019, após 580 dias na cadeia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco × dois =