O ministro das Comunicações, Fábio Faria, disse, nessa 3ª feira (11.mai.2021), que o leilão para implementação do 5G no Brasil deve ser realizado em julho.

Em entrevista ao “Programa do Ratinho“, do SBT, o ministro afirmou que o TCU (Tribunal de Contas da União) deve conceder parecer positivo ao edital.

“Estamos no processo final lá do TCU. Eu acredito no mês de julho a gente consiga ter o leilão. [A previsão é que] Até julho do ano que vem todas as 27 capitais terão o 5G funcionando”, disse.

“O 5G é uma mudança que vai mudar a vida. Hoje, você usa o Waze, Uber e pede iFood por causa do 4G. Ele fez que você fizesse a chamada de vídeo até para o Japão. O 5G vai fazer essa mudança na vida das indústrias, das empresas”, afirmou.

O governo trabalha há algum tempo com a previsão de julho para a realização do leilão. Serão leiloadas 5 faixas de radiofrequência: 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz. Além de internet até 100 vezes mais rápida, as redes de 5ª geração usam um espectro de rádio mais abrangente, permitindo que mais aparelhos móveis se conectem simultaneamente, com maior estabilidade do que os atuais 4G, 3G e 2G.

A Anatel aprovou o edital do certame em 25 de fevereiro. No mesmo mês, antes de embarcar com uma comitiva para conhecer a aplicação da rede de 5ª de geração em outros países, o ministro disse que a corte levaria 60 dias para avaliar o tema. O prazo regimental, no entanto, é de 150 dias.

Durante o programa, Ratinho citou que Fábio Faria é casado com Patrícia Abravanel, filha do dono do SBT, Sílvio Santos. O nome do proprietário da emissora, no entanto, não foi mencionado na entrevista.

Em um trecho da entrevista, o apresentador minimizou uma suposta dependência econômica do Brasil em relação à China. O ministro não respondeu. Desde o início do governo Bolsonaro, as relações com o país asiático são conflituosas.

 

 

“Muita gente diz: ‘Ó, o Brasil está brigando com a China’. Ó, vou dizer um negócio: a China precisa muito mais do Brasil do que o Brasil da China, o Brasil é o único país que dá para o meio ambiente terras férteis. Estados Unidos protege terra. Protege onde tem gelo, aqui protegemos terras férteis”, disse Ratinho.

Poder360 mostrou, em 3 de maio, que documento preparado dentro do Ministério das Comunicações registrou de maneira explícita que a tecnologia da chinesa Huawei estaria fora da rede privada de comunicação que será montada pelo governo federal. Na mesma data, Fábio Faria disse à reportagem que desconhecia o documento.

Em 5 de maio, Bolsonaro compareceu ao evento Digital Day, no Salão Negro do Congresso Nacional, e visitou os estandes de empresas que ali faziam demonstração sobre 5G. Na ocasião, Bolsonaro evitou passar no local que foi montado pela chinesa Huawei, segundo apurou o Poder360.

A guerra de versões a respeito da participação chinesa no leilão do 5G levou um dos filhos do presidente da República, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a causar um incidente diplomático com o país asiático ao escrever o seguinte no Twitter, em novembro do ano passado:

“O governo Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Network, lançada pelo governo Donald Trump, criando uma aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”.

Em reação, a embaixada chinesa classificou o ataque como “inaceitável” e afirmou que esse tipo de fala poderia ter “consequências negativas” para a relação dos 2 países.

EMPRESA DOMINA OPERAÇÕES NO BRASIL

A empresa chinesa já tem larga atuação no país. É a fabricante da maior parte dos equipamentos usados pelas empresas que operam telefonia no Brasil, como mostra este quadro preparado pelo Poder360:

A Huawei é banida das redes 5G de países como Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Suécia. Eis um infográfico com os principais países que autorizam e rejeitam o 5G da Huawei:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

doze + 1 =