O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decretou a prisão preventiva do ex-policial militar Cássio Rodrigues Costa Souza, de Minas Gerais, após ser ameaçado de morte por ele na internet. A determinação veio após um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), feito nesta segunda-feira (6/9). Moraes também solicitou o bloqueio de todas as redes sociais do ex-militar.

“A conduta do requerido, narrada pela Procuradoria-Geral da República, revela-se ilícita e gravíssima, constituindo ameaça ilegal à segurança dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, revestindo-se de claro intuito de, por meio de violência e grave ameaça — inclusive com ameaças de morte —, coagir e impedir o exercício da judicatura, atentando contra a independência do Poder Judiciário, com flagrante afronta à manutenção do Estado Democrático de Direito, em patente descompasso com o postulado da liberdade de expressão”, diz a decisão.

Em um post publicado nas redes sociais, nesta segunda-feira, Cássio Rodrigues Costa Souza disse que vai matar o ministro do STF no dia do feriado do Dia da Independência. “Terça-feira (7 de setembro) vamos te matar e matar toda a sua família, seu vagabundo”, escreveu no Twitter. O ex-policial ainda foi além. “Seu vagabundo, advogadinho de merda do PCC. Sou policial militar e nós militares te eliminaremos”, disse.

Após a publicação viralizar na internet, a conta do homem foi excluída definitivamente do Twitter por infringir as regras da plataforma. No entanto, a mensagem foi replicada em outros canais. O policial não colocou foto no perfil. A página apresentava apenas uma imagem do jogador de futebol Hulk, do Atlético Mineiro.

O nome de Cássio Rodrigues Costa Souza aparece no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais expedido no dia 24 de julho de 2018. O militar está na lista de policiais reformados por incapacidade física definitiva. Ele era lotado no 31º Batalhão da Polícia Militar de MG.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

19 + 1 =