O governo dos Estados Unidos quer o apoio do Brasil para reformar a OMS (Organização Mundial de Saúde) e blindar a entidade da influência da China no futuro. A coluna apurou que Washington já enviou a Brasília seu projeto com princípios sobre como recriar as estruturas da agência.

O documento submetido pelo governo americano apresenta um conjunto de propostas para redefinir o papel da OMS. Mas o projeto, elaborado nos últimos meses, abriu uma crise. Os governos de França e Alemanha abandonaram provisoriamente uma negociação no início de agosto diante da insistência de Washington em estabelecer a agenda da reforma e os princípios da nova entidade.

A irritação dos europeus ocorre diante do fato de os EUA estarem adotando uma postura dupla: de um lado, anunciam sua saída da organização e o fim do repasse de recursos. Mas, ao mesmo tempo, querem comandar a reforma da instituição.

A estratégia dos EUA é aprovar seu plano no G7 (grupo das sete maiores economias do mundo) que, neste semestre, é presidido por Donald Trump.

O passo seguinte seria levar a questão ao G-20 e, nesse fórum, os americanos precisariam do apoio de seus aliados para conseguir que sua visão de uma nova OMS seja aprovada. O Brasil, segundo negociadores estrangeiros, seria fundamental para essa etapa. Diplomatas no Itamaraty confirmaram que o documento da proposta americana com princípios foi circulado ao país.

A esperança dos americanos era de que um projeto chancelado pelo G7 e G20 não poderia ser ignorado pela OMS. Ainda que a entidade conte com mais de 190 membros, um pacote proposto pelas maiores economias do mundo teria uma influência decisiva.

Diante da pandemia da covid-19 e da crise mundial, a OMS passou ao centro do debate. A entidade foi acusada de ter demorado para dar uma resposta e de ter sido complacente com a China, até agora apontada como ponto de origem do novo coronavírus. Mas a entidade justifica sua postura diante da dependência que hoje tem de receber a autorização de governos para que possa visitar locais e apurar a existência de surtos.

Além disso, a OMS insiste que, quando declarou emergência internacional no dia 31 de janeiro, menos de cem casos confirmados existiam fora da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezenove − 10 =