Um novo estudo bombástico afirma ter provas de que os cientistas chineses criaram o COVID-19 em um laboratório e, em seguida, tentaram fazer a engenharia reversa de versões do vírus para fazê-lo parecer que evoluiu naturalmente dos morcegos.

O professor britânico Angus Dalgleish e o cientista norueguês Dr. Birger Sørensen escreveram que tiveram evidências primárias “de retroengenharia na China” desde o ano passado, mas foram ignorados por acadêmicos e importantes jornais médicos, informou o Daily Mail no sábado , citando o estudo a ser publicado.

O estudo conclui: “a probabilidade de ser o resultado de processos naturais é muito pequena.” O vírus ainda mata 12.000 pessoas por dia em todo o mundo.

Dalgleish é um professor de oncologia de Londres conhecido por um trabalho inovador em uma vacina contra o HIV. Sørensen é virologista e presidente da empresa farmacêutica Immunor, que desenvolveu uma vacina candidata contra o coronavírus chamada Biovacc-19. Dalgleish também tem participação financeira nessa empresa.

 

Foi durante a pesquisa da vacina COVID-19 que a dupla encontrou “impressões digitais exclusivas” indicando que o vírus não veio da natureza, disseram. A pista reveladora: uma descoberta rara no vírus portador do COVID de uma fileira de quatro aminoácidos, que emitem uma carga positiva e se ligam a células humanas negativas.

“As leis da física significam que você não pode ter quatro aminoácidos carregados positivamente em uma fileira”, disse Dalgleish ao Daily Mail. “A única maneira de conseguir isso é fabricando-o artificialmente.”

Eles também rastrearam pesquisas chinesas publicadas, algumas feitas em parceria com universidades americanas, para mostrar como as ferramentas para criar o vírus foram supostamente construídas. Boa parte do trabalho revisado envolveu pesquisa de “ganho de função”, que envolve a manipulação de vírus naturais em um laboratório para torná-los mais infecciosos, permitindo aos cientistas estudar seu efeito potencial em humanos.

Os EUA impuseram uma moratória a essa pesquisa em 2014. Mas é impossível saber se US $ 600.000 em financiamento para pesquisa médica na China foram usados ​​para pesquisa de ganho de função, disse o Dr. Anthony Fauci ao Congresso na semana passada.

“Seria de se esperar que uma pandemia de vírus natural sofresse mutação gradativa e se tornasse mais infecciosa, mas menos patogênica, o que muitos esperavam com a pandemia de COVID-19, mas que parece não ter acontecido”, escreveram os cientistas.

Os cientistas não puderam ser contatados imediatamente pelo The Post para comentar o assunto.

A notícia do estudo surge em meio a um interesse renovado nas origens do COVID-19, que há muito tempo foi proclamado como tendo saltado de morcegos para humanos em um mercado úmido na China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

seis − um =