Os Estados Unidos e uma coalisão de países acusaram a China nesta segunda-feira (19) de estar por trás de uma campanha de ataques cibernéticos contra a Microsoft revelada no início de 2021.

A própria Microsoft afirmou em março passado que uma vulnerabilidade em seu sistema de contas de e-mail corporativas ou de estudantes foi explorada por “um grupo de espionagem cibernética ligado à China”. A falha foi corrigida, segundo a companhia.

Os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a União Europeia, o Reino Unido, a Austrália, o Japão, a Nova Zelândia e o Canadá se aliaram aos EUA na denúncia.

O Departamento de Justiça dos EUA disse ainda que quatro cidadãos chineses – três autoridades de segurança e um hacker contratado – foram acusados de serem os responsáveis por uma campanha global de invasão destinada a dezenas de empresas, universidades e agências governamentais.

As atividades aconteceram entre 2011 e 2018 e se concentraram em informações que beneficiariam significativamente as empresas e negócios chineses, segundo o órgão americano.

“Os Estados Unidos e países ao redor do mundo estão responsabilizando a República Popular da China por seu padrão de comportamento irresponsável, perturbador e desestabilizador no ciberespaço, que representa uma grande ameaça à nossa segurança econômica e nacional”, disse o Secretário de Estado dos EUA Anthony Blinken em declaração nesta segunda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

9 − dois =