Bloco Principal 1

Escritor russo que apoia Vladimir Putin sofre atentado perto de Moscou

O romancista russo Zakhar Prilepin, um apoiador do atual governo do país e da guerra contra a Ucrânia, foi vítima de um atentando na Rússia neste sábado (6). O carro onde ele estava explodiu. Prilepin escapou com vida, mas o motorista dele morreu.

As informações são da agência de notícias estatal Tass.

O incidente aconteceu na região de Nizhny Novgorod, a cerca de 400 quilômetros de Moscou. Prilepin sofreu pequenas fraturas em ossos.

 Zakhar Prilepin, novelista russo que apoia o governo de Putin, em imagem de 2017 — Foto: Alexander Zemlianichenko/AP

Zakhar Prilepin, novelista russo que apoia o governo de Putin, em imagem de 2017 — Foto: Alexander Zemlianichenko/AP

Série de atentados

 

Essa é a terceira explosão que envolve pessoas conhecidas que apoiam o governo de Vladimir Putin.

  • Em Moscou, agosto de 2022, um carro-bomba matou Daria Dugina, filha do teórico político russo Alexandr Dugin, o “o cérebro de Putin”. As autoridades russas afirmaram que a Ucrânia estava por trás da explosão.
  • No mês passado, uma explosão em um café em São Petersburgo matou um blogueiro militar famoso, Vladlen Tatarsky. As autoridades mais uma vez culparam as agências de inteligência ucranianas.

Novelista tinha voltado da Ucrânia

 

A agência de notícias russa RBC informou, citando fontes não identificadas, que Prilepin estava para Moscou das regiões de Donetsk e Luhansk, na Ucrânia, e parou na região de Nizhny Novogorod para uma refeição.

A porta-voz do Ministério do Interior, Irina Volk, disse que um suspeito foi detido. Os noticiários russos o identificaram como um ucraniano que já havia sido condenado por roubo.

Prilepin tornou-se um apoiador do presidente russo, Vladimir Putin, em 2014, depois que Putin anexou ilegalmente a península da Criméia. Ele esteve envolvido no conflito no leste da Ucrânia ao lado dos separatistas apoiados pela Rússia. No ano passado, ele foi sancionado pela União Europeia por ter apoiado a invasão da Ucrânia pela Rússia.

G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo